Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

28/04/2022 Adriana Karam

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.

Não podemos formar pessoas que trabalhem apenas o aspecto técnico, sem desenvolver em conjunto sua criatividade e as demais competências.

Educar, formar, profissionalizar, também é despertar o olhar para temas que dizem respeito a questões sociais e ao bem-estar individual e coletivo.

Todo o processo deve privilegiar o entendimento do papel do cidadão, de como se articula o conhecimento de forma ética em benefício da sociedade, em uma formação mais ampla. Em resumo, é a Educação agindo para potencializar a cidadania transformadora. 

O modelo educacional de uma escola ou universidade é seu coração. Vivemos um momento em que esse coração precisa ser revisitado pois passamos, ao longo dos últimos anos, por mudanças disruptivas, que criaram um novo modelo de sociedade e de relações sociais, econômicas e de geração de conhecimento.

Sabe-se hoje que a aprendizagem ligada à prática profissional é mais significativa, que o mundo do trabalho é multidisciplinar, que mais valem as competências construídas do que as notas obtidas e que as instituições precisam oferecer programas educacionais mais flexíveis.

A experiência mexicana do TEC Monterrey – referência internacional em educação inovadora, tecnológica e transformadora – elegeu quatro pilares que fazer de seu projeto pedagógico um modelo para se desenvolver as competências do século 21, permitindo que cada aluno forme sua experiência de maneira única e singular: Educação baseada em desafios; Professores inspiradores; Flexibilidade e autonomia curricular; e Vivência memorável.

Os quatro pontos formam uma escolha muito feliz, que já inspira outras instituições em sua construção pedagógica. O que se faz na universidade vai além do que é ensinado nas disciplinas.

É preciso um perfil ético e comportamental que deve fazer parte desse projeto: um técnico que se aplica à sociedade.

E as tecnologias, a realidade virtual, a inteligência artificial e tantas ferramentas são aplicadas a toda essa proposta, mas sem se limitar ao uso tecnológico.

É dessa forma que a Educação transforma as pessoas, que transformam o mercado de trabalho e a sociedade em que se inserem.

Nosso entendimento sobre a Educação como ferramenta de uma cidadania transformadora para a formação integral dos trabalhadores também é fruto de uma visão inspiradora.

Isso envolve planejamento, criação de uma cultura que gere os resultados esperados, envolvimento e comprometimento de todos os envolvidos no processo educacional, dentro e fora das escolas e universidades.

E que também é resultado da clareza do papel e do propósito da instituição. Essa clareza é muito importante para a definição da transformação, pois para cada instituição de ensino, para cada propósito, há um desenho próprio.

A aplicação do conhecimento na prática e um time de professores com experiência de mercado, por exemplo, devem ser sempre a tônica das instituições que buscam transformar a educação em nosso país, do ensino básico ao superior.

Estamos – e sempre estivemos – em uma constante busca de caminhos para inovar nossa oferta de valor para nossos alunos, para as empresas e para a sociedade.

A troca de experiências deve ser fomentada, para que possamos traduzir o modelo do século 21 para a realidade das instituições brasileiras, já que essa não é uma tarefa do tipo “copie e cole”.

Há que se fazer uma leitura de cada contexto, seus desafios, necessidades dos alunos e da região em que está se inserido para desenhar de forma eficiente um modelo educacional.

* Adriana Karam é professora, pesquisadora de inovação na educação e reitora do Centro Universitário UniOpet.

Para mais informações sobre educação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Talk Assessoria de Comunicação



Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”


Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.


Tecnologia e EPIs

Áudio e vídeo inteligente para a segurança de colaboradores de infraestrutura crítica.


Dia Mundial do DNA: o que a data representa para a medicina?

No ano de 1953, os cientistas James Watson, Francis Crick, Maurice Wilkins, Rosalind Franklin e outros colegas publicaram artigos na revista Nature com o objetivo de desvendar a estrutura da molécula de DNA.