Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dois + dois = cinco

Dois + dois = cinco

10/08/2016 Sidney Coldibelli

Diz uma frase que li uma vez, que insanidade é tentar obter resultados diferentes fazendo sempre a mesma coisa.

É o que, de uma maneira estranha, quer dizer o título de nosso artigo de hoje. Para todos as pessoas "normais", a soma 2 + 2 vai ser sempre igual a 5.

E por mais que você tente explicar que, se houver sinergia, isto pode ser possível, do ponto de vista numérico, não. O que temos visto em nossas andanças e intervenções em empresas, ao longo destes mais de 25 anos de atividades, é que as empresas, via de regra, querem obter resultados diferentes daqueles que têm tido nos últimos tempos.

Mas falta a coragem para mudar. E sabem por quê? Porque mudar custa. Todo o tipo de custo que se possa imaginar, incluindo financeiro. Vamos propor um exemplo fictício, ¨pero no mucho¨, para poder ilustrar nosso ponto de vista.

Imagine a empresa ACME, fabricante de produtos industriais que fornece para todo o país (com potencial para fornecer para o mundo). Seu departamento de vendas é formado por profissionais experientes, com mais de 10 anos de casa e que conhecem o mercado.

São liderados por um experiente gerente de vendas que, há mais de 10 anos, vem sendo responsável pelo crescimento da companhia. A empresa vinha em uma crescente até que, de uns tempos para cá, começou a não crescer mais da forma mesma.

O que lhe parece esta estória? Soa familiar? Não se assuste. Não estamos falando de sua empresa e, sim, de uma grande maioria de empresas que estão presentes no mercado nacional (e, na sua grande maioria, infelizmente, de capital genuinamente brasileiro).

Agora, quando esses profissionais de vendas (vendedores, representantes e gerentes) são questionados de por que as coisas não andam mais como antigamente, a resposta vem rápida: "É o mercado!!!" Ora, mas que mercado é esse que faz com que determinadas empresas sigam em frente, enquanto outras se debilitem?

Por isso, toda vez que sou questionado sobre o que estou achando do mercado, imediatamente respondo. "Não conheço este cidadão!" Não estranhe, pois é a mais pura verdade. Mercado não existe. O que existem são clientes.

Alguns estão pensando em crescer, outros, em encolher, outros, em vender a empresa pela melhor oferta, outros, em comprar quem estiver à venda, outros, em ampliar seus negócios para o mundo, outros, em se aposentar. E por mais que você tente tirar uma média do comportamento deles, você vai ver que não vai te levar a nada.

Seria como colocar um indívíduo com os pés dentro de um forno e a cabeça dentro de um congelador. O umbigo (média) pode estar na temperatura ideal, mas o fulano está morto. Tentar nivelar clientes só poderá lhe trazer a triste constatação de que o mercado está ruim.

Tenho um conhecido que trabalha com venda de automóveis em uma concessionária e, em um encontro recente, queixou-se barbaramente de que as vendas de carros, no mês de maio, foram ruins. Dias depois, vejo uma notícia na internet dizendo que a venda de carros zero quilômetro tinha crescido 20%. Em quem acreditar? Para mim está claro: Na notícia. Por duas razões:

1) Era uma notícia boa e imprensa vive de dar notícia ruim. Para poder merecer espaço, deve ser verdadeira.

2) Eu conheço esta pessoa e ela sempre agiu assim. Chega de manhã no trabalho, senta-se à mesa lendo o jornal, enquanto espera que os clientes venham até a concessionária. Ela não vende. O cliente compra. Ela não tem um cadastro das pessoas que compraram carro com ela nos últimos anos para poder ligar e propor uma troca de modelo.

Ela não pega os classificados de veículos para ver quem é que está vendendo carros para poder, dali a alguns dias, ligar para o camarada e propor algum negócio. Enfim, ela sempre faz tudo sempre igual (como na música do Chico Buarque).

E é claro que a soma (2 + 2) dele sempre vai dar quatro, porque, para dar cinco, a soma tem que ser diferente. Pense sobre o assunto e veja o quanto você está somando sempre as mesmas parcelas e querendo obter resultados diferentes. Se não estiver conseguindo enxergar, chame-nos. Quem sabe a gente ajuda você a achar.

* Sidney Coldibelli tem formação em Engenharia Elétrica, Administração de Empresas e Marketing.
 



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa