Portal O Debate
Grupo WhatsApp

E a vida pós-pandemia?

E a vida pós-pandemia?

30/04/2020 Raquel Heep

Não pode acabar e ficar tudo igual. Não pode, precisamos melhorar.

O discurso raso de “que tudo ficará bem” não cabe mais. Precisamos, devemos e vamos superar, mas devemos sair dessa batalha melhores.

Há uma dor silenciosa quando vemos um filho apenas por vídeo, quando seus pais são do grupo de risco ou quando familiares estão longe, com seu país no ápice da curva.

Há uma ansiedade, uma angústia frente ao desconhecido – e realmente desconhecido inimigo. Uma ansiedade em relação ao futuro. E mesmo assim, há que se estar lutando.

Por isso, repito: precisamos sair desse momento melhores! É o mínimo que o Universo nos pede.

Vemos comerciais, apelos políticos (afinal estamos em ano de eleições) e, certamente, digo que muito compreensível - angústia de setores privados.

Comércio, indústria, prestação de serviços etc... Não está fácil para ninguém. De verdade. Mas nenhuma vida compensa esse esforço.

Já vimos que o coronavírus não separa ministros, presidentes e idosos abandonados. Já chegou em crianças, profissionais de saúde e políticos. É um fato!

Precisamos olhar o inimigo de frente. Ver suas armas. Ver suas fraquezas. E lutar! E, pelo comportamento viral (sou médica, mas não especialista nisso) vejo que manter o isolamento é fundamental.

Vida (poderia ser sua mãe) não volta mais. Prejuízos e reorganizações econômico-governamentais se fazem. Primeira e Segunda Guerras mostraram isso. A Crise de 1929 reafirmou.

Mas perder um ente querido por insuficiência do sistema, por relaxamento de medidas sociais simples, por pensar só no seu negócio.... jamais nos perdoaremos!

Enfim, um tempo de isolamento e sensação de perda de controle. Ninguém de nossa geração pensara passar por este momento. Parecia apenas filme de ficção.

E hoje bate à nossa porta, causando, além da própria doença, de prejuízos econômicos a descompensação emocional.

A ansiedade natural, nossa aliada em situações de perigo, passa a ser patológica. Crises de pânico, violência doméstica, abuso de álcool, insônia, depressão.

A pandemia trouxe à tona também problemas psiquiátricos. E precisamos estar atentos também a isso.

Cuidar de nosso bem-estar psíquico é fundamental para enfrentar a pandemia (que em nosso Brasil ainda não teve seu ápice) e as consequências dela: isolamento, desemprego, perda de entes queridos, entre tantos.

E qual deve ser a ação?! Ficar. Sossegar. Estar. Curtir. Observar. Pedir ajuda. Tratar. E mesmo fazendo tudo isso, teremos problemas? Claro!

Somos novos nessa coisa de relações humanas. Somos novos sobre ficar só em família, estamos engatinhando em amar ao próximo, em solidariedade comunitária. Nossa parcela egoísta ainda é grande.

Minha dor ainda é a maior de todas. Mas hoje o mundo dói. Mas estamos aqui para crescer. Evoluir. Ser mais a nós e aos próximos. E afinal não.... não queremos que tudo volte ao normal. Precisamos melhorar!

* Raquel Heep é médica psiquiatra e professora de Saúde Mental do curso de Medicina da Universidade Positivo (UP).

Fonte: Central Press



O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan