Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Economia e Academia na Amazônia

Economia e Academia na Amazônia

15/08/2016 Wilson Périco

Empreendedores e cientistas precisam amiudar sua conversa e objetos de interesse.

Além da logística e da vontade política de sua representação parlamentar, empreender de forma competitiva na Amazônia exige estreita aproximação entre o setor produtivo e os órgãos de pesquisa, economia e academia.

Empreendedores e cientistas precisam amiudar sua conversa e objetos de interesse. Por isso, foi gratificante – e não deve parar por aí – o encontro entre o GEEA (Grupo de Estudos Estratégicos da Amazônia), o CIEAM (Centro da Indústria do Estado do Amazonas) e os pesquisadores do INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia), para debater exatamente a intersecção fecunda entre o conhecimento e o empreendimento.

O modelo industrial existente precisa agregar valor e insumos locais no desafio de ampliar sua planta manufatureira na direção da bioeconomia. E bioeconomia, na Amazônia, com 20% dos princípios ativos de todo o planeta, é o melhor caminho, para não dizer o mais inteligente.

As indústrias do fazer e do conhecer devem estar integradas. Afinal, a demanda mundial por produtos de beleza, da dermocosmética, da nutrição orgânica e harmônica do ponto de vista do sabor e da saúde, bate à porta das novas oportunidades.

E o que dizer da farmacopeia, após a conquista do projeto genoma, que dará longevidade ao ser humano na medida em que passa a entender a sequência bioquímica de evolução ou finitude da vida. Esta é a percepção das entidades da indústria, comércio e agricultura, a Ação Empresarial do Estado do Amazonas.

Desarticulação inaceitável

Há mais de seis décadas, o INPA fincou pé nesta Amazônia que o mundo inteiro cobiça desde a chegada europeia. E é gratificante perceber esta interação do instituto com a sociedade, que lhe dá sustento e lhe fornece os insumos da pesquisa dos seus acervos e inventários.

É gratificante verificar as Forças Armadas abrirem espaço em seus pelotões de fronteira, para pesquisadores criarem opções de pesquisa e desenvolvimento nestes rincões da imensa Amazônia. Não faz sentido vê-la tão empobrecida em seus indicadores de desenvolvimento humano, por viver sobre tesouros inestimáveis da biodiversidade e da geodiversidade que o mundo precisa.

O Tribunal de Contas da União, depois de 10 anos de exaustivos levantamentos, com todos os atores públicos e privados da gestão da Amazônia, acionou o Ministério Público Federal, seção Amazonas, para promover uma revisão das políticas públicas federais na região.

Recursos são desperdiçados por conta da desarticulação e da ausência de planejamento conjunto e de longo prazo. O TCU também aponta que os recursos destinados à pesquisa, desenvolvimento e infraestrutura são contingenciados em frontal desrespeito às leis que os criaram.

O texto do Acórdão, firmado com o MPF-AM em abril, está no portal www.cieam.com.br, e se refere exatamente às verbas de P&D e taxas da Suframa, recolhidas pelas empresas da Zona Franca de Manaus, e 80% confiscadas pela União para outros fins.

As novas trilhas

A atividade industrial de Manaus tem orgulho de manter integralmente a UEA (Universidade do Estado do Amazonas), presente em todos os 62 municípios de um estado que é maior, territorialmente, do que todo o Nordeste e toda a Europa Ocidental.

Além do orgulho, temos, sobretudo, a expectativa de debater com esta academia, e demais estudiosos das vocações de negócios sustentáveis da região, os novos caminhos que diversifiquem e interiorizem a economia. Por tudo isso, é promissor o debate entre cientistas e empresários, e os atores federais presentes no Amazonas.

Hoje, com a ajuda do INPA e da Embrapa, produzimos 30 toneladas de proteína de peixe por hectare em Rondônia, que abastece Manaus. No Centro-Oeste, apenas 300 quilos de proteína são extraídos da pecuária bovina. Já temos as lições de como propagar em laboratório as espécies da flora com alto valor comercial, e não mais derrubar o pau-rosa para a indústria de perfumaria francesa.

A indústria financiou o CBA (Centro de Biotecnologia da Amazônia), que a União só agora começa a perceber seu papel. Precisamos de mais conversas, mais infraestrutura, mais vontade política. A prosperidade, que daí advém, a gente sabe produzir.

* Wilson Périco é presidente do CIEAM (Centro da Indústria do Estado do Amazonas).



A comunicação educativa no processo de retomada social

Alguns governos municipais e estaduais, a partir desse mês, começam a criar e implementar um plano de retorno às atividades comerciais, culturais, educacionais, entre outras.


Direita ou esquerda? Atenção aos atalhos!

Você deve estar pensando: lá vem mais um textão sobre reflexões políticas. Mas não é disso que vamos tratar aqui.


George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.