Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empreendedorismo Mineiro

Empreendedorismo Mineiro

10/12/2021 Márcio Coimbra

Passamos por um enorme desafio como nação. A pandemia e a crise econômica têm testado os limites dos brasileiros.

Desemprego, inflação e medo passaram a fazer parte da rotina de uma população que não espera soluções dos governos e precisa encontrar caminhos para vencer este período de enormes desafios. Para além dos auxílios, o Brasil sabe que somente pode contar com a capacidade de seu povo.

Neste caminho de crise, os mineiros mostraram que tem muito a revelar para o Brasil. Os mineiros, longe de depender dos políticos, preferiram tentar vencer a crise usando seu próprio talento e suas próprias forças. Este caminho foi trilhado por nosso ativo mais importante, o empreendedorismo.

Desde aquelas pequenas iniciativas, passando pela criação de novos negócios e ações autônomas, Minas Gerais tem mostrado que é capaz de driblar a crise melhor que qualquer outro estado brasileiro.

Nosso estado lidera, por exemplo, o ranking nacional de dispensa de alvarás e exigências normativas para atividades classificadas como baixo risco e que não oferecem perigo à saúde e à segurança da sociedade, como bares, padarias, salões de beleza, lojas de roupas, borracharias.

Um movimento que incentiva os pequenos empreendedores mineiros a encontrarem o caminho de saída da crise impulsionado pelos seus próprios talentos. O embrião de uma pequena revolução liberal de verdade.

Belo Horizonte alcançou o 1º lugar no quesito tempo para se abrir um empreendimento. É possível abrir as portas de um estabelecimento na capital mineira em 9,5 dias, enquanto em outras cidades esse prazo pode chegar a um mês.

Mais do que isso, as mulheres empreendedoras já representam a maioria quando se fala de empresas com até quatro anos de vida em Minas Gerais.

Sabemos que para vencer a crise, precisamos contar com o talento dos brasileiros. O governo não gera riqueza, ele apenas toma parte da riqueza produzida pelos nossos empreendedores para gerir a máquina pública.

Sem empreendedores, que assumem o risco de implementar negócios e pagam impostos, não existem recursos ou verbas públicas para custear o SUS, segurança ou escolas públicas. Dependemos de nossos empreendedores para fazer funcionar a máquina pública. Sem eles, não há Estado.

Aqui em Minas Gerais foram revogados mais de 458 atos normativos, que incluem decretos, portarias e resoluções.

Desburocratizar é o melhor caminho para incentivar nosso povo a colocar os seus talentos em favor de seu próprio país.

De acordo com os dados da Receita Federal, divulgados pelo Sebrae, o estado cresceu 18,89% na abertura de novas empresas em comparação com 2020. Isso é um sinal importante para Minas e um exemplo para o Brasil.

O que Minas Gerais tem de melhor é o talento de nosso povo. É com isso que podemos contar nos tempos difíceis.

Nosso estado, que no passado exportou soluções para o país, mostra o caminho que o Brasil deve seguir para vencer a crise.

O caminho para recuperação econômica no pós-pandemia, não passa pelos governos, mas em acreditar em nós mesmos e nosso potencial. Os mineiros têm mostrado isso.

* Márcio Coimbra é coordenador da pós-graduação em Relações Institucionais e Governamentais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília e Cientista Político.

Para mais informações sobre empreendedorismo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Imprensa FLE



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.