Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empreendedorismo Mineiro

Empreendedorismo Mineiro

10/12/2021 Márcio Coimbra

Passamos por um enorme desafio como nação. A pandemia e a crise econômica têm testado os limites dos brasileiros.

Desemprego, inflação e medo passaram a fazer parte da rotina de uma população que não espera soluções dos governos e precisa encontrar caminhos para vencer este período de enormes desafios. Para além dos auxílios, o Brasil sabe que somente pode contar com a capacidade de seu povo.

Neste caminho de crise, os mineiros mostraram que tem muito a revelar para o Brasil. Os mineiros, longe de depender dos políticos, preferiram tentar vencer a crise usando seu próprio talento e suas próprias forças. Este caminho foi trilhado por nosso ativo mais importante, o empreendedorismo.

Desde aquelas pequenas iniciativas, passando pela criação de novos negócios e ações autônomas, Minas Gerais tem mostrado que é capaz de driblar a crise melhor que qualquer outro estado brasileiro.

Nosso estado lidera, por exemplo, o ranking nacional de dispensa de alvarás e exigências normativas para atividades classificadas como baixo risco e que não oferecem perigo à saúde e à segurança da sociedade, como bares, padarias, salões de beleza, lojas de roupas, borracharias.

Um movimento que incentiva os pequenos empreendedores mineiros a encontrarem o caminho de saída da crise impulsionado pelos seus próprios talentos. O embrião de uma pequena revolução liberal de verdade.

Belo Horizonte alcançou o 1º lugar no quesito tempo para se abrir um empreendimento. É possível abrir as portas de um estabelecimento na capital mineira em 9,5 dias, enquanto em outras cidades esse prazo pode chegar a um mês.

Mais do que isso, as mulheres empreendedoras já representam a maioria quando se fala de empresas com até quatro anos de vida em Minas Gerais.

Sabemos que para vencer a crise, precisamos contar com o talento dos brasileiros. O governo não gera riqueza, ele apenas toma parte da riqueza produzida pelos nossos empreendedores para gerir a máquina pública.

Sem empreendedores, que assumem o risco de implementar negócios e pagam impostos, não existem recursos ou verbas públicas para custear o SUS, segurança ou escolas públicas. Dependemos de nossos empreendedores para fazer funcionar a máquina pública. Sem eles, não há Estado.

Aqui em Minas Gerais foram revogados mais de 458 atos normativos, que incluem decretos, portarias e resoluções.

Desburocratizar é o melhor caminho para incentivar nosso povo a colocar os seus talentos em favor de seu próprio país.

De acordo com os dados da Receita Federal, divulgados pelo Sebrae, o estado cresceu 18,89% na abertura de novas empresas em comparação com 2020. Isso é um sinal importante para Minas e um exemplo para o Brasil.

O que Minas Gerais tem de melhor é o talento de nosso povo. É com isso que podemos contar nos tempos difíceis.

Nosso estado, que no passado exportou soluções para o país, mostra o caminho que o Brasil deve seguir para vencer a crise.

O caminho para recuperação econômica no pós-pandemia, não passa pelos governos, mas em acreditar em nós mesmos e nosso potencial. Os mineiros têm mostrado isso.

* Márcio Coimbra é coordenador da pós-graduação em Relações Institucionais e Governamentais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília e Cientista Político.

Para mais informações sobre empreendedorismo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Imprensa FLE



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.