Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Expectativas racionais, DI-Futuro e Taxa Selic

Expectativas racionais, DI-Futuro e Taxa Selic

20/10/2016 Pedro Raffy Vartanian

Na década de 1970, uma nova corrente de economistas ganhou espaço no campo da macroeconomia.

Os chamados economistas novo-clássicos adotaram o postulado de que os agentes da economia formavam “expectativas racionais” que neutralizavam as ações de política econômica do governo.

As expectativas racionais consistem na ideia de que a sociedade é capaz de reagir às políticas sistemáticas de administração da demanda total de uma economia.

Em outras palavras, se o governo tenta promover algum estímulo na economia por meio de aumento de gastos ou redução da taxa de juros, os agentes anteciparão os efeitos de tal política, como por exemplo o aumento da inflação no futuro, e passarão a exigir salários cada vez maiores, que por sua vez fará com que os efeitos da política econômica sejam nulos sobre o PIB – Produto Interno Bruto.

Nesse contexto, a política resultará apenas em mais inflação sem que o nível de produção ou emprego aumente. Observa-se, portanto, que a reação dos agentes em relação à política implementada neutraliza os efeitos das políticas econômicas.

Adicionalmente, a visão novo-clássica destaca que os agentes utilizam todas as informações relevantes para prever o comportamento das variáveis macroeconômicas e que erros no processo de formação de expectativas podem ocorrer.

Quando os agentes cometem erros de previsão, poderão ocorrer crises de queda no PIB de um país com consequente aumento do desemprego. A corrente novo-clássica, ou escola das expectativas racionais, ganhou espaço no debate econômico e foi motivo de inúmeras controvérsias, com destaque para o fato de considerar os agentes econômicos previsores sofisticados e, portanto, com grande capacidade de prever o futuro da economia.

Apesar de inúmeras críticas com relação a essa visão, observa-se, especialmente nos mercados financeiros, o funcionamento do postulado novo-clássico no comportamento de muitos ativos e derivativos financeiros. Esta apresentação da visão novo-clássica é bastante oportuna no atual momento na economia brasileira especialmente quando se observa o comportamento do mercado futuro de juros.

Enquanto a taxa Selic atual é de 14,25% ao ano, o mercado futuro de juros já antecipa uma queda da taxa de juros para 2017, com o contrato de DI-futuro (contrato futuro de juros) para janeiro de 2017 sendo negociado em torno de 13,70%, o que significa que os agentes estão “antecipando” uma provável queda de 0,5 ponto percentual na Taxa Selic ainda em 2016.

Para o início de 2018, os agentes já antecipam uma taxa Selic de 12% ao ano. Esse mesmo comportamento pode ser observado no início do ciclo de alta da Taxa Selic, de 7,25% para 7,5% em abril de 2013. Assim que o Banco Central do Brasil resolveu abandonar a postura leniente com a inflação, os agentes rapidamente incorporaram nas expectativas que a Taxa Selic subiria muito mais e o DI-futuro passou a ser negociado rapidamente em patamares superiores a 10%.

Pouco tempo depois, o mercado futuro já precificava uma Taxa Selic em torno de 14,25% ao ano antes mesmo de a Taxa Selic ter apontado este nível. Assim, é possível observar que de fato há um comportamento, pelo menos em alguns mercados, de agentes da economia como previsores sofisticados.

Adicionalmente, e como vem ocorrendo de forma recorrente, tal “antecipação” sugere um otimismo na medida que prevê o início do ciclo de baixa da taxa de juros no fim de 2016 com reflexos positivos para a retomada do crescimento econômico em 2017.

* Pedro Raffy Vartanian é Professor do Mestrado Profissional em Economia e Mercados da Universidade Presbiteriana Mackenzie e Pesquisador do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa