Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Expectativas racionais, DI-Futuro e Taxa Selic

Expectativas racionais, DI-Futuro e Taxa Selic

20/10/2016 Pedro Raffy Vartanian

Na década de 1970, uma nova corrente de economistas ganhou espaço no campo da macroeconomia.

Os chamados economistas novo-clássicos adotaram o postulado de que os agentes da economia formavam “expectativas racionais” que neutralizavam as ações de política econômica do governo.

As expectativas racionais consistem na ideia de que a sociedade é capaz de reagir às políticas sistemáticas de administração da demanda total de uma economia.

Em outras palavras, se o governo tenta promover algum estímulo na economia por meio de aumento de gastos ou redução da taxa de juros, os agentes anteciparão os efeitos de tal política, como por exemplo o aumento da inflação no futuro, e passarão a exigir salários cada vez maiores, que por sua vez fará com que os efeitos da política econômica sejam nulos sobre o PIB – Produto Interno Bruto.

Nesse contexto, a política resultará apenas em mais inflação sem que o nível de produção ou emprego aumente. Observa-se, portanto, que a reação dos agentes em relação à política implementada neutraliza os efeitos das políticas econômicas.

Adicionalmente, a visão novo-clássica destaca que os agentes utilizam todas as informações relevantes para prever o comportamento das variáveis macroeconômicas e que erros no processo de formação de expectativas podem ocorrer.

Quando os agentes cometem erros de previsão, poderão ocorrer crises de queda no PIB de um país com consequente aumento do desemprego. A corrente novo-clássica, ou escola das expectativas racionais, ganhou espaço no debate econômico e foi motivo de inúmeras controvérsias, com destaque para o fato de considerar os agentes econômicos previsores sofisticados e, portanto, com grande capacidade de prever o futuro da economia.

Apesar de inúmeras críticas com relação a essa visão, observa-se, especialmente nos mercados financeiros, o funcionamento do postulado novo-clássico no comportamento de muitos ativos e derivativos financeiros. Esta apresentação da visão novo-clássica é bastante oportuna no atual momento na economia brasileira especialmente quando se observa o comportamento do mercado futuro de juros.

Enquanto a taxa Selic atual é de 14,25% ao ano, o mercado futuro de juros já antecipa uma queda da taxa de juros para 2017, com o contrato de DI-futuro (contrato futuro de juros) para janeiro de 2017 sendo negociado em torno de 13,70%, o que significa que os agentes estão “antecipando” uma provável queda de 0,5 ponto percentual na Taxa Selic ainda em 2016.

Para o início de 2018, os agentes já antecipam uma taxa Selic de 12% ao ano. Esse mesmo comportamento pode ser observado no início do ciclo de alta da Taxa Selic, de 7,25% para 7,5% em abril de 2013. Assim que o Banco Central do Brasil resolveu abandonar a postura leniente com a inflação, os agentes rapidamente incorporaram nas expectativas que a Taxa Selic subiria muito mais e o DI-futuro passou a ser negociado rapidamente em patamares superiores a 10%.

Pouco tempo depois, o mercado futuro já precificava uma Taxa Selic em torno de 14,25% ao ano antes mesmo de a Taxa Selic ter apontado este nível. Assim, é possível observar que de fato há um comportamento, pelo menos em alguns mercados, de agentes da economia como previsores sofisticados.

Adicionalmente, e como vem ocorrendo de forma recorrente, tal “antecipação” sugere um otimismo na medida que prevê o início do ciclo de baixa da taxa de juros no fim de 2016 com reflexos positivos para a retomada do crescimento econômico em 2017.

* Pedro Raffy Vartanian é Professor do Mestrado Profissional em Economia e Mercados da Universidade Presbiteriana Mackenzie e Pesquisador do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica.



Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.