Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Florestas plantadas garantem a lucratividade no campo

Florestas plantadas garantem a lucratividade no campo

10/12/2016 Paulo Figueiredo

O crescimento do mercado de florestas plantadas e a atividade como uma iniciativa que ajuda a combater o desmatamento.

Considerado um dos segmentos mais atrativos do nosso agronegócio, o mercado de florestas plantadas ocupa sete milhões de hectares do território nacional, gera 540 mil empregos diretos e, em 2015, rendeu R$ 69 bilhões, valor que representa 6% do Produto Interno Bruto (PIB).

Além disso, o Brasil é o maior exportador do mundo de celulose de eucalipto, matéria-prima utilizada na produção de papel e celulose, mercado que registrou no último ano um faturamento de US$ 9 bilhões, de acordo com a Indústria Brasileira de Árvores (IBÁ).

A atividade também pode ser vista como uma solução sustentável para combater o desmatamento no Brasil, pois ajuda a suprir as necessidades econômicas e ainda minimiza a procura por madeira extraída de forma ilegal. Outra vantagem é que o plantio contribui com a redução dos gases do efeito estufa e com o sequestro de carbono, isso porque, cada hectare de floresta em desenvolvimento é capaz de absorver de 150 a 200 toneladas de gás carbônico (CO²) da atmosfera.

Além de todos os benefícios, o mercado também favorece a indústria de equipamentos destinados ao cultivo e manejo florestal. Afinal, quando falamos em florestas plantadas, devemos pensar em todas as etapas da cadeia produtiva, pois apenas com o auxílio de tecnologias adequadas é possível realizar o trabalho de maneira segura e eficiente.

Quando avaliamos uma área de cultivo de eucalipto, por exemplo, o manejo geralmente é terceirizado por empreiteiros florestais, responsáveis por entrar com máquinas para fazer o corte e o desgalhamento das árvores para a posterior venda.

Nesse ponto, temos duas formas de trabalho: nos terrenos grandes e planos, o equipamento mais indicado é o harvester, capaz de derrubar, descascar e processar as árvores; já, em áreas menores ou íngremes, a melhor forma de realizar o corte e a desbrota são realizados com o uso de motosserra e roçadeira, respectivamente.

No entanto, alguns pontos merecem atenção quando falamos em motosserras, pois a indústria de equipamentos destinados ao manejo florestal trabalha constantemente para desenvolver ferramentas que garantam a segurança dos operários.

Por isso, além dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), existem motosserras com sistemas especiais de freios, ativados para travar a corrente e evitar possíveis acidentes caso o operador faça um movimento brusco. Outra tecnologia disponível é o freio acionado de acordo com a postura, ou seja, se o operador está com uma postura errada, a máquina trava a corrente e no sabre automaticamente.

Já para os médios e pequenos produtores, é possível utilizar também pulverizadores para fazer o controle de pragas, atomizadores destinados à aplicação de insumos e calcário para a correção de solo e roçadeiras próprias para a desbrota, o que minimiza o esforço físico no trabalho.

Como podemos notar, o segmento está muito bem estruturado, pois garante lucratividade, auxilia na preservação do meio ambiente e ainda estimula o trabalho das indústrias de equipamentos. Essa é uma cadeia de negócios altamente produtiva e, certamente, o país ainda será uma das maiores referências em manejo de florestas plantadas.

* Paulo Figueiredo consultor técnico de produtos da Husqvarna, líder global no fornecimento de equipamentos para o manejo de áreas verdes.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa