Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Governança de terras: uma questão de soberania nacional

Governança de terras: uma questão de soberania nacional

12/09/2018 Vitor Bukvar Fernandes

O Brasil foi descoberto em 1500 e o conflito de terras vem ocorrendo desde a divisão do território.

Até hoje, o emaranhado de regras, leis e as lacunas deixadas pela falta de controle sobre o uso e a ocupação do solo tornam o país uma verdadeira “terra de ninguém”. Na recente edição do Seminário Internacional de Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico: Regularização Simplificada, realizada na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), temas relevantes foram debatidos e ficou patente a necessidade urgente de promover uma ampla regularização de terras no país que se baseie em regras claras e na aceleração dos processos.

O objetivo é que todos saibam quem está em cima da terra e o uso que se dá a cada palmo de chão no Brasil e, assim, garantir a segurança jurídica. Ter uma política certa de governança de terras é uma questão de soberania nacional. Na última década, a preocupação com a compra de milhares de hectares de terras no Brasil por estrangeiros passou a fazer parte da pauta de discussões>

Sem um controle mais efetivo, é difícil identificar se são brasileiros ou estrangeiros quem está por trás, por exemplo, de empresas em regime de sociedade anônima (S/A) que adquirem as áreas. A legislação existente no país tem problemas graves e ainda há muito espaço para melhoras. Há uma concordância de que é necessário promover mudanças. Mas não adianta, simplesmente, criar regras que proíbam a compra ou a venda de terras. O país precisa promover uma mudança de visão.

É necessário compreender que a terra é, simultaneamente, um ativo produtivo e um ativo líquido. Em qualquer parte do mundo é assim. A governança de terras é a saída para garantir regras claras de uso e ocupação do solo. As normas vão impor direitos e deveres para os proprietários de áreas no Brasil – sendo eles brasileiros ou estrangeiros. Em conjunto, o país deverá estabelecer mecanismos que freiem uma invasão de estrangeiros comprando terras brasileiras.

Se o país tiver uma boa governança, garantirá um controle das terras, terá conhecimento de quem são os donos dos imóveis e poderá monitorar o uso que os proprietários fazem de cada área. As medidas para definir a melhor governança passam pela legislação mais adequada para a realidade brasileira, a elaboração de um cadastro nacional de imóveis, o georreferenciamento das áreas urbanas e rurais, a simplificação dos processos burocráticos que envolvam órgãos e cartórios e a articulação de agentes públicos e privados.

Ter, de fato, a soberania da terra brasileira é fundamental para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do país. Conhecer bem a nossa terra também permitirá reduzir os conflitos que resultam em violência no campo e nas cidades. Assim, também será possível barrar a especulação imobiliária e a grilagem de terras. O governo e a sociedade terão ainda instrumentos para evitar o desmatamento das florestas e para coibir as irregularidades na posse de terras no país.

A governança de terras é uma questão complexa no Brasil. E, o futuro do país passa pela organização do uso e da ocupação do solo. Em um ano de eleição nacional, o tema deve estar na pauta de debate dos presidenciáveis e da sociedade.

* Vitor Bukvar Fernandes é doutor em desenvolvimento econômico pela Unicamp, professor da Unesp - Rio Claro e pesquisador do Grupo de Governança de Terras (GGT) do Instituto de Economia (IE) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Fonte: Ateliê da Notícia



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.