Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Governança de terras: uma questão de soberania nacional

Governança de terras: uma questão de soberania nacional

12/09/2018 Vitor Bukvar Fernandes

O Brasil foi descoberto em 1500 e o conflito de terras vem ocorrendo desde a divisão do território.

Até hoje, o emaranhado de regras, leis e as lacunas deixadas pela falta de controle sobre o uso e a ocupação do solo tornam o país uma verdadeira “terra de ninguém”. Na recente edição do Seminário Internacional de Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico: Regularização Simplificada, realizada na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), temas relevantes foram debatidos e ficou patente a necessidade urgente de promover uma ampla regularização de terras no país que se baseie em regras claras e na aceleração dos processos.

O objetivo é que todos saibam quem está em cima da terra e o uso que se dá a cada palmo de chão no Brasil e, assim, garantir a segurança jurídica. Ter uma política certa de governança de terras é uma questão de soberania nacional. Na última década, a preocupação com a compra de milhares de hectares de terras no Brasil por estrangeiros passou a fazer parte da pauta de discussões>

Sem um controle mais efetivo, é difícil identificar se são brasileiros ou estrangeiros quem está por trás, por exemplo, de empresas em regime de sociedade anônima (S/A) que adquirem as áreas. A legislação existente no país tem problemas graves e ainda há muito espaço para melhoras. Há uma concordância de que é necessário promover mudanças. Mas não adianta, simplesmente, criar regras que proíbam a compra ou a venda de terras. O país precisa promover uma mudança de visão.

É necessário compreender que a terra é, simultaneamente, um ativo produtivo e um ativo líquido. Em qualquer parte do mundo é assim. A governança de terras é a saída para garantir regras claras de uso e ocupação do solo. As normas vão impor direitos e deveres para os proprietários de áreas no Brasil – sendo eles brasileiros ou estrangeiros. Em conjunto, o país deverá estabelecer mecanismos que freiem uma invasão de estrangeiros comprando terras brasileiras.

Se o país tiver uma boa governança, garantirá um controle das terras, terá conhecimento de quem são os donos dos imóveis e poderá monitorar o uso que os proprietários fazem de cada área. As medidas para definir a melhor governança passam pela legislação mais adequada para a realidade brasileira, a elaboração de um cadastro nacional de imóveis, o georreferenciamento das áreas urbanas e rurais, a simplificação dos processos burocráticos que envolvam órgãos e cartórios e a articulação de agentes públicos e privados.

Ter, de fato, a soberania da terra brasileira é fundamental para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do país. Conhecer bem a nossa terra também permitirá reduzir os conflitos que resultam em violência no campo e nas cidades. Assim, também será possível barrar a especulação imobiliária e a grilagem de terras. O governo e a sociedade terão ainda instrumentos para evitar o desmatamento das florestas e para coibir as irregularidades na posse de terras no país.

A governança de terras é uma questão complexa no Brasil. E, o futuro do país passa pela organização do uso e da ocupação do solo. Em um ano de eleição nacional, o tema deve estar na pauta de debate dos presidenciáveis e da sociedade.

* Vitor Bukvar Fernandes é doutor em desenvolvimento econômico pela Unicamp, professor da Unesp - Rio Claro e pesquisador do Grupo de Governança de Terras (GGT) do Instituto de Economia (IE) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Fonte: Ateliê da Notícia



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.