Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Grandes poderes geram grandes responsabilidades

Grandes poderes geram grandes responsabilidades

24/10/2023 Patricia Punder

Antes do surgimento da internet e, consequentemente, das redes sociais, existia o império da comunicação formado por jornais, revistas e televisão.

Este meio midiático era centrado em jornalistas, escritores, celebridades do esporte, cultura e moda, políticos e figuras nacionais e internacionais importantes.

A forma de se manter inteirado nos assuntos mais relevantes era através destes meios de comunicação, além disso, as empresas utilizavam destes meios para divulgar seus produtos e serviços, pagando pelos espaços publicitários. Poucas pessoas de fora tinham voz ou acesso a poder se expressar.

Com as mídias sociais tudo mudou, qualquer cidadão do globo, com exceções de países que ainda censuram, podem e estão se expressando exponencialmente.

O mundo tem opinião sobre tudo e todos, parece que uma represa se rompeu e toda a água se espalhou pelo mundo. Sob o aspecto democrático, podemos dizer que, dar voz aos seres humanos, foi um excelente movimento.

Entretanto, o que se iniciou como uma forma de se comunicar, passou a ser uma indústria complexa e perigosa.

As mídias sociais, quando criadas, foram categorizadas como plataformas de tecnologia, no entanto, com o tempo, houve uma evolução e não é mais possível categorizá-las assim.

Não se pode mais negar que as redes sociais são meios de comunicação, o que traz mais responsabilidade e regramentos, os quais as plataformas não têm o menor interesse em seguir.

Podem até tentar demonstrar boa-fé por meio de implementação de práticas de autorregulamentação, mas isto não tem funcionado, basta ver a imensidão de fake news circulando pelo mundo afora.

O poder das plataformas aumentou tanto que agora são oligopólios, uma vez que poucas empresas detêm grande parcela das informações do mundo.

A ascensão das plataformas de tecnologia introduziu novos e difíceis desafios, desde os trágicos atos de violência ligados a culturas tóxicas online, à deterioração da saúde mental e do bem-estar, aos direitos básicos de comunidades em todo o mundo.

Os Estados Unidos estão tomando a frente no movimento de responsabilizar as plataformas online, tanto na censura ilegal do discurso quanto na facilitação de atividades criminosas online. O Brasil também tem se preocupado com este tema, buscando uma forma de regulamentação.

Seria imperativo a existência de regras sobre a responsabilização dessas empresas no tocante a transparência para os usuários, questões relacionadas com o uso de algoritmos indiscriminados, publicidade e governança corporativa.

Será que o mundo precisa inventar a roda novamente? Por qual motivo não podem ser aplicados os mesmos regramentos utilizados para os meios de comunicação nas plataformas tecnológicas?

Afinal, elas não são mais plataformas de tecnologia. Houve uma evolução nos negócios, atualmente elas são o império da comunicação.

Afinal, como diz a expressão popular: com grandes poderes vêm grandes responsabilidades.

* Patricia Punder é advogada e compliance officer com experiência internacional.

Para mais informações sobre meios de comunicação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Comunicação Vertical



O Brasil enfrenta uma crise ética

O Brasil atravessa uma crise ética. É patente a aceitação e banalização da perda dos valores morais evidenciada pelo comportamento dos governantes e pela anestesia da sociedade, em um péssimo exemplo para as futuras gerações.

Autor: Samuel Hanan


Bandejada especial

Montes Claros é uma cidade de características muito peculiares. Para quem chega de fora para morar lá a primeira surpresa vem com a receptividade do seu povo.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil