Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Homenagem ao Dias dos Pais

Homenagem ao Dias dos Pais

16/08/2016 Bady Curi Neto

No Brasil a data é comemorada no segundo domingo de agosto, segundo alguns fomentado pelo comércio.

Muitos atribuem à origem desta data na Babilônia, onde um jovem príncipe, Elmesu, teria em argila, moldado o primeiro cartão para seu pai, rei da Babilônia, Nabucodonosor, felicitando e desejando vida longa.

Tal feito, há mais de 4.000 anos, deu origem na comemoração do Dias dos Pais. Em Portugal o dia é comemorado no dia de nascimento de São José, 19 de março, pai de Jesus Cristo, conforme tradição cristã.

No Brasil a data é comemorada no segundo domingo de agosto, segundo alguns fomentado pelo comércio. A realidade é que pouco importa o motivo da origem da data ou de sua veracidade e sim a homenagem que se faz para aquele, que juntamente com a mãe, deu origem, cuidou e criou seus filhos ao longo da vida.

Estas datas são emblemáticas para pais e filhos, que abrem mão de outros compromissos individuais para reunir a família, por um sentido maior: o amor. Os beijos e abraços de parabenização fazem-se encontrar os corações, que na correria do dia a dia podem passar desapercebidos por um simples cumprimento.

Meu pai, Bady Curi, deixou a vida terrena para outras tarefas diante de Deus. Desde sua ida para o lar celestial, há um ano, eu acordava todas as manhãs e o primeiro sentimento ao abrir os olhos era um vazio interior, uma dor que parecia não ter cura, não ter fim, uma saudade de seus conselhos, de seu sorriso, de seus abraços e de seus beijos.

Sim, beijos, como era gostoso poder beijá-lo e falar de boca cheia “eu te amo meu pai”, com toda ênfase e força que o pronome possessivo possa ter. Realmente, apesar da única certeza de a vida ser a morte, não se acostuma com ela.

Por maior que seja a convicção religiosa, que estamos na terra apenas de passagem, a ausência do ente querido nos deixa um oco no coração. Manuel Bandeira, poeta brasileiro, no Poema de Finados, vestiu este sentimento em palavras, ao dizer: “Amanhã é dia dos mortos. Vai ao cemitério. Vai e procura entre as sepulturas, a sepultura de seu Pai. Leva três rosas bem bonitas. Ajoelha e reza uma oração. Não pelo Pai, mas pelo filho: O filho tem mais precisão. O que resta de mim na vida, é a amargura de que sofri. Pois nada quero, nada espero. Em verdade estou morto ali. ”

A cada dia que passa consigo renascer um pouco, pela lembrança do tempo que passou e hoje a dor deu lugar a uma saudade doce, dos bons anos de convivência, de seus exemplos, de seu carinho, abraços, beijos e até mesmo de alguns desentendimentos.

Consigo olhar para o infinito e no escorrer de uma lágrima, sorrir, simplesmente, sorrir, lembrando de sua risada larga e alta, que antecedia sua chegada e perceber que a matéria quer dizer contato e não, obrigatoriamente, presença, pois se não fosse, DEUS, pai celestial de todos os seres, não estaria entre nós.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa