Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Impactos ambientais geram impactos sociais

Impactos ambientais geram impactos sociais

15/03/2011 Lilian Reis

Processos de licitação de grandes empreendimentos costumam ser assuntos frequentes em todos os noticiários.

Eles são notáveis pelo grande  impacto ambiental que geram. Entretanto, pouco ou nada se fala sobre os impactos sociais causados por essas obras. É comum ver moradores de  vilas até então pacatas passarem por processos traumáticos como  desapropriações  e reassentamentos.

Um dos exemplos mais recentes foi a manifestação realizada em frente à Secretaria de Meio Ambiente do Rio de Janeiro, contra a concessão da licença definitiva de operação à Companhia Siderúrgica do Atlântico, em Santa Cruz.

Moradores, pescadores e representantes da comunidade foram recebidos por técnicos do Instituto Estadual do Meio Ambiente. Os empreendedores são acusados de causar danos ambientais na região.  Outro exemplo é o Projeto Nova Luz, em São Paulo, que prevê a desapropriação de prédios comerciais e residenciais no centro da cidade. População e Prefeitura estão em atrito.

Essas intervenções são tão complexas que muitas vezes as comunidades afetadas não conseguem nem entender os benefícios e as compensações desses empreendimentos.  Fica realmente difícil enxergar progresso tendo suas vidas totalmente assoladas por maquinários imensos.

Na grande maioria dos casos, essa percepção se deve pelo simples fato de o programa de comunicação social estar equivocado. Elaborado de forma errônea, o que deveria ser um processo ordenado e permanente de relacionamento entre o  empreendedor e os diversos públicos envolvidos, simplesmente se perde. Tudo não passa de gastos desnecessários e problemas para ambas as partes.

Para evitar esses impasses, cabe ao empreendedor realizar audiências públicas. Elas funcionam como uma oportunidade única para que a comunidade se manifeste. São nessas reuniões que devem ser levantadas as dúvidas, angustias e preocupações - antes que seja tarde. Afinal, não basta que um empreendimento seja transparente. É preciso que ele seja participativo e que, acima de tudo, atenda a um interesse público.

Logicamente, a comunicação possui um papel fundamental, atuando de forma  a gerar uma opinião pública favorável e contribuindo para o fortalecimento da reputação institucional nas organizações. Ela cria ainda um diferencial no relacionamento das organizações com seus stakeholders e suas comunidades, estabelecendo uma relação de parceria a fim de obter benefícios socioambientais e contribuir para o desenvolvimento sustentável.

Felizmente, bons exemplos existem. A EMTU, Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, mantém ações de relacionamento com as comunidades dos Municípios de Itapevi e Jandira. Trata-se do Programa EMTU na Comunidade, que atua junto às comunidades inseridas no Projeto Corredor Viário Metropolitano Itapevi-Butantã. O projeto foi planejado e desenvolvido para atuar durante o processo de licenciamento ambiental, oferecendo apoio aos moradores que serão desapropriados.

Casos como esse comprovam que não se pode subestimar o impacto social e as mudanças no principal componente do sistema organizacional: as pessoas. Estas não podem ser simplesmente transferidas de um local para outro, religadas, reconfiguradas, reestruturando-se de um dia para o outro. As pessoas devem ser preparadas para o processo de mudança.

Para isso, o plano de comunicação com as comunidades lindeiras afetadas e com os públicos estratégicos deve ser realizado de forma planejada e coerente, antecipada ao processo expropriatório e à efetivação dos impactos.

As vantagens são muitas. Estas ações facilitarão as condições e o tempo necessários para que as pessoas possam reorganizar suas vidas. O empreendedor terá, além de ganho de imagem, economia de tempo, recursos e tranquilidade para a efetivação do projeto. Vale a pena investir.

*Lilian Reis é relações públicas e associada da Communità Comunicação Socioambiental.

Fonte: InformaMídia Comunicação



“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.


E o cartão caminhoneiro?

O objetivo é proteger os caminhoneiros da oscilação diária no preço do diesel, durante um serviço de frete.


Raciocínio lógico

Uma das mais reconhecidas competências socioemocionais.


A justiça e a injustiça são antagônicas, não se misturam?

“Há mais coragem em ser justo, parecendo ser injusto, do que injusto para salvaguardar as aparências da Justiça”.