Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Início do trabalho de Dunga

Início do trabalho de Dunga

09/09/2014 Pedro Cardoso da Costa

Certa vez escrevi que o voto mais caro do Brasil é o do presidente da República.

À época, Lula saíra de Brasília somente para apertar uma tecla em São Paulo. Votou e voltou. Ninguém escreveu uma linha sobre quanto custou esse voto à sociedade.

Algo similar acontece com o anúncio da lista de convocados da seleção brasileira de futebol. Nesse caso, o dinheiro é privado. Nem por isso deixa de ser uma bizarrice gastar tanto sem nenhuma necessidade.

Os treinadores, atualmente radicados no Rio Grade do Sul, saem de suas casas, pegam avião e vão à sede da Confederação Brasileira de Futebol, no Rio de Janeiro, apenas para ler uma lista de nomes e conceder uma entrevista coletiva enfadonha para dar pancadas nos repórteres. Isso, quando se poderia apenas disponibilizar a relação no sítio da entidade na internet.

Fica por aqui a comparação. Daí por diante, cada um começa a sua falácia. A deste ensaio é a seleção e seus eternos “inícios de trabalho”.

Depois de milhares de quilômetros para ler uma lista, os convocados se reúnem num hotel de luxo. Uns dois ou três “rachões” coletivos são realizados, escolhe-se aleatoriamente os onze titulares e vão à cata de dólares para os cofres da Confederação.

Ao se aproximar as competições mais importantes, os portões e o aprisionamento dos atletas tornam-se as etapas indispensáveis ao sucesso do “trabalho”. Talvez a estratégia sirva para esconder que nada de prático efetivamente foi feito. Definem-se também quais os bonés, calçados, cortes de cabelo são permitidos.

Imprensa, treinadores, jogadores nunca sabem quais são as razões verdadeiras dos fracassos, porque não discutem antes. Uma Copa é perdida porque os atletas fazem o que querem; outra, porque não sabiam sequer cantar o Hino Nacional; depois, porque disputavam quem gritava mais alto. Tudo tolices infantis que passam ao largo das verdadeiras razões.

Falta de treino tático, de investimento em todo o território para descobrir e selecionar atletas; falta de seriedade em alguns momentos antes e durante os jogos.

Deve-se exigir que parem com aqueles passes laterais e improdutivos substituindo-os por outros em profundidade, para frente, mesmo que incidam mais em erros.

Treinar triangulações e deslocamentos. Atletas brasileiros nem buscam nem passam a bola em espaços livres. Proibir de passarem a bola para colegas em impedimento, e estes treinarem um dia inteiro para perceberem quando estão avançados.

Nada disso é feito nem exigido pela mídia brasileira, tão despreparada quanto os atletas. O novo treinador vai continuar gastando dinheiro, tempo e energia para vir ler uma lista no Rio, vai entregar coletes para fazer coletivos, escalar onze, que poderiam ser os outros que ficaram no banco ou de fora da convocação, já que há nenhum critério e continuar a história de que está desenvolvendo um trabalho de quatro anos para levar de sete da Alemanha.

Claro que não poderia faltar o oba-oba dos globais, liderados pelo mais conhecido deles. A vantagem de Dunga é que não dá a contrapartida da exclusividade, uma grande virtude do atual treinador.

* Pedro Cardoso da Costa é Bacharel em Direito

 



A comunicação educativa no processo de retomada social

Alguns governos municipais e estaduais, a partir desse mês, começam a criar e implementar um plano de retorno às atividades comerciais, culturais, educacionais, entre outras.


Direita ou esquerda? Atenção aos atalhos!

Você deve estar pensando: lá vem mais um textão sobre reflexões políticas. Mas não é disso que vamos tratar aqui.


George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.