Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Isaura Correia Santos

Isaura Correia Santos

25/01/2019 Humberto Pinho da Silva

Uma grande senhora do alentejo.

Certo dia, Isaura Correia Santos, indignada com certa articulista, que escrevera: “As mães portuguesas oferecem os filhos, para defenderem a Pátria”, resolveu publicar crónica, afirmando: que era mãe e portuguesa, e não “oferecia” o filho para ir para a guerra. Mal sabia a ilustre escritora, que o desabafo, iria desencadear enxurrada de impropérios. Foi enxovalhada, e houve até, quem rebuscasse sua vida particular, descobrindo, no passado, motivo para a insultar, como mulher e cidadã.

Isaura Correia Santos nasceu a 1914, em Alegrete, em plena planície alentejana. Ainda menina (17 anos,) casou com o pintor Abel Santos. Cedo se dedicou às letras, tornando-se conhecida, como autora de livros para a infância.

Suas crónicas, sempre interessantes e incisivas, apareciam, principalmente, in: “O Comércio do Porto”, e “Republica”. Foi colaboradora da BBC. Notável conferencista; e o Governador do Texas, concedeu-lhe o honroso título de cidadã honorário desse Estado Americano.

Nas tardes de sábado, reunia, na sua casa, na Praça da Galiza, no Porto, intelectuais e amigos. O chá, que servia em xícaras de fina porcelana, todas diferentes, mas todas de grande beleza, ficou famoso no meio artístico portuense.

Uma manhã, ao regressar de Soutelinho (Povoa do Varzim,) sofreu grave acidente. Visitei-a na Ordem da Trindade. Recebeu-me a Filó - empregada e amiga, que nunca a abandonou.

Isaura Correia Santos, falou-me do acidente e da forma carinhosa como as irmãs (freiras) a tratavam. Disse-me, então, à puridade: “Os olhos, agora, começam a ver o interior. Compreendo melhor a Vida e Seus mistérios…”

Admirava o Padre Cruz, e confiava em Deus, apesar da pouca fé que possuía. Noutra ocasião, afirmou: “Este acidente fez-me compreender o que nunca havia conseguido alcançar. Tenho rezado muito…”

A escritora, que se notabilizou com a obra: “O Senhor Sabe Tudo Contou”, recebeu o prémio: Maria Amália Vaz de Carvalho. Numa manhã fria de Fevereiro, do ano de 1989, fui visitar Frei Martinho Manta. Logo que me viu, disse-me, compungido:

- “Sabe quem morreu?! …Uma grande Senhora do meu Alentejo: a escritora Isaura Correia Santos! …”

Antes de falecer, confidenciou, na Ordem do Carmo (onde estava hospitalizada,) a amiga: que não receava morrer – até desejava, – visto gora acreditar numa outra Vida, e principalmente na misericórdia divina.

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva 



Imperabilidade Inexistente

Bom, para começar este artigo, tenho que confessar que a palavra “imperabilidade” não existe.


O mundo em tensão

As relações entre Estados Unidos e Irã após a morte de Qasem Soleimani.


Quando o telefone toca…

A cada passo sou massacrado: ouço o telefone tilintar. Corro para atender.


O Coringa que te habita

Não é surpresa que o filme “Coringa”, de Joaquim Phoenix e Todd Phillips, tenha obtido 11 indicações ao Oscar.


O fim dos panfletos

O panfleto talvez seja a mais antiga das formas de comunicação.


Correios, se não tiver interessados, fechar…

Privatização é a palavra cabalística do meio político-administrativo.


Trabalho voluntário

Trabalho voluntário é o que se faz por vontade própria e que tem intenção de ajudar o próximo.


Qual a diferença entre casamento e união estável?

Advogada explica como funciona os dois tipos de família


Educação e instrução

Sob frondosa tília, em flor, leio o “Bom Jesus do Monte”, de Camilo.


A hora dos partidos começarem a existir

Temos nada menos que 110 partidos políticos. São 33 registrados e 77 já fundados que aguardam registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).


Que venha 2020!

Mais um ano termina e a briga política ideológica entre alguns esquerdopatas e o atual governo parece não ter fim.


Recebi o 13º, é hora de gastar? Não é bem assim!

O assunto já virou clássico de final de ano. O que fazer com o 13º?