Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Isaura Correia Santos

Isaura Correia Santos

25/01/2019 Humberto Pinho da Silva

Uma grande senhora do alentejo.

Certo dia, Isaura Correia Santos, indignada com certa articulista, que escrevera: “As mães portuguesas oferecem os filhos, para defenderem a Pátria”, resolveu publicar crónica, afirmando: que era mãe e portuguesa, e não “oferecia” o filho para ir para a guerra. Mal sabia a ilustre escritora, que o desabafo, iria desencadear enxurrada de impropérios. Foi enxovalhada, e houve até, quem rebuscasse sua vida particular, descobrindo, no passado, motivo para a insultar, como mulher e cidadã.

Isaura Correia Santos nasceu a 1914, em Alegrete, em plena planície alentejana. Ainda menina (17 anos,) casou com o pintor Abel Santos. Cedo se dedicou às letras, tornando-se conhecida, como autora de livros para a infância.

Suas crónicas, sempre interessantes e incisivas, apareciam, principalmente, in: “O Comércio do Porto”, e “Republica”. Foi colaboradora da BBC. Notável conferencista; e o Governador do Texas, concedeu-lhe o honroso título de cidadã honorário desse Estado Americano.

Nas tardes de sábado, reunia, na sua casa, na Praça da Galiza, no Porto, intelectuais e amigos. O chá, que servia em xícaras de fina porcelana, todas diferentes, mas todas de grande beleza, ficou famoso no meio artístico portuense.

Uma manhã, ao regressar de Soutelinho (Povoa do Varzim,) sofreu grave acidente. Visitei-a na Ordem da Trindade. Recebeu-me a Filó - empregada e amiga, que nunca a abandonou.

Isaura Correia Santos, falou-me do acidente e da forma carinhosa como as irmãs (freiras) a tratavam. Disse-me, então, à puridade: “Os olhos, agora, começam a ver o interior. Compreendo melhor a Vida e Seus mistérios…”

Admirava o Padre Cruz, e confiava em Deus, apesar da pouca fé que possuía. Noutra ocasião, afirmou: “Este acidente fez-me compreender o que nunca havia conseguido alcançar. Tenho rezado muito…”

A escritora, que se notabilizou com a obra: “O Senhor Sabe Tudo Contou”, recebeu o prémio: Maria Amália Vaz de Carvalho. Numa manhã fria de Fevereiro, do ano de 1989, fui visitar Frei Martinho Manta. Logo que me viu, disse-me, compungido:

- “Sabe quem morreu?! …Uma grande Senhora do meu Alentejo: a escritora Isaura Correia Santos! …”

Antes de falecer, confidenciou, na Ordem do Carmo (onde estava hospitalizada,) a amiga: que não receava morrer – até desejava, – visto gora acreditar numa outra Vida, e principalmente na misericórdia divina.

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva 



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.