Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Isaura Correia Santos

Isaura Correia Santos

25/01/2019 Humberto Pinho da Silva

Uma grande senhora do alentejo.

Certo dia, Isaura Correia Santos, indignada com certa articulista, que escrevera: “As mães portuguesas oferecem os filhos, para defenderem a Pátria”, resolveu publicar crónica, afirmando: que era mãe e portuguesa, e não “oferecia” o filho para ir para a guerra. Mal sabia a ilustre escritora, que o desabafo, iria desencadear enxurrada de impropérios. Foi enxovalhada, e houve até, quem rebuscasse sua vida particular, descobrindo, no passado, motivo para a insultar, como mulher e cidadã.

Isaura Correia Santos nasceu a 1914, em Alegrete, em plena planície alentejana. Ainda menina (17 anos,) casou com o pintor Abel Santos. Cedo se dedicou às letras, tornando-se conhecida, como autora de livros para a infância.

Suas crónicas, sempre interessantes e incisivas, apareciam, principalmente, in: “O Comércio do Porto”, e “Republica”. Foi colaboradora da BBC. Notável conferencista; e o Governador do Texas, concedeu-lhe o honroso título de cidadã honorário desse Estado Americano.

Nas tardes de sábado, reunia, na sua casa, na Praça da Galiza, no Porto, intelectuais e amigos. O chá, que servia em xícaras de fina porcelana, todas diferentes, mas todas de grande beleza, ficou famoso no meio artístico portuense.

Uma manhã, ao regressar de Soutelinho (Povoa do Varzim,) sofreu grave acidente. Visitei-a na Ordem da Trindade. Recebeu-me a Filó - empregada e amiga, que nunca a abandonou.

Isaura Correia Santos, falou-me do acidente e da forma carinhosa como as irmãs (freiras) a tratavam. Disse-me, então, à puridade: “Os olhos, agora, começam a ver o interior. Compreendo melhor a Vida e Seus mistérios…”

Admirava o Padre Cruz, e confiava em Deus, apesar da pouca fé que possuía. Noutra ocasião, afirmou: “Este acidente fez-me compreender o que nunca havia conseguido alcançar. Tenho rezado muito…”

A escritora, que se notabilizou com a obra: “O Senhor Sabe Tudo Contou”, recebeu o prémio: Maria Amália Vaz de Carvalho. Numa manhã fria de Fevereiro, do ano de 1989, fui visitar Frei Martinho Manta. Logo que me viu, disse-me, compungido:

- “Sabe quem morreu?! …Uma grande Senhora do meu Alentejo: a escritora Isaura Correia Santos! …”

Antes de falecer, confidenciou, na Ordem do Carmo (onde estava hospitalizada,) a amiga: que não receava morrer – até desejava, – visto gora acreditar numa outra Vida, e principalmente na misericórdia divina.

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva 



A hora de enfrentar a quebradeira

Certo ou errado, interesseiro, politiqueiro ou, até, corrupto, o combate à Covid 19 ocorre em todo o território nacional.


O que o Brasil vai ter após a pandemia do Covid-19

As nações mais adiantadas em tecnologia do mundo, estão superconcentradas em encontrar a cura desta pandemia.


Homem, sonhos e o trabalho: reflexões sobre um futuro próximo

O homem, seja pela perspectiva do criacionismo ou do evolucionismo, sempre teve um relacionamento necessário e direto com o trabalho.


Os sonhos norteiam a vida

Final dos anos 80. Rô tinha acabado de chegar de Londres. Morávamos no mesmo pensionato em São Paulo.


Não ao “novo” normal, sim a um normal de verdade

Escrevi um artigo no mês passado, em um dos maiores jornais do país, questionando este “novo” normal e recebi muitas mensagens de pessoas concordando e poucos discordando.


Liberdade de pensamento

Tem sentido que nos ocupemos hoje da Liberdade de Pensamento? Este não é um tema ultrapassado?


As redes sociais como patrimônio do povo

A novidade dos últimos dias é o banimento de páginas de políticos e ativistas - tanto de situação quanto de oposição - nas redes sociais, por determinação dos controladores destas.


O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.