Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Leilão de parlamentares

Leilão de parlamentares

07/10/2013 Julio Amorim

Parabéns ao pronunciamento do senador Álvaro Dias (PSDB-PR) que chamou de picaretagem explícita o leilão de parlamentares.

Aos parlamentares picaretas que trocaram de partidos e que agem como macacos pulando de galho em galho na ribalta do Legislativo Federal, desrespeitando o eleitor e emporcalhando a imagem já encardida do político nacional, a sociedade deseja que os senhores apodreçam no quinto dos infernos e não consigam as suas reeleições. Políticos lacaios, calhordas, imorais e solertes que usam de meios velhacos para ludibriar o eleitor nacional.

Essa imoralidade política só afasta o eleitor. E depois querem que o voto ainda seja obrigatório para eleger candidato que você não sabe qual será a sua conduta durante a vigência do mandato.

O que está faltando na Constituição para que o Parlamento tenha seriedade? Respondo: mais princípios de Democracia Direta dando ao povo poder de interferir diretamente no Legislativo para cassar o mandato de políticos descumpridores de suas obrigações parlamentares: (1) que interrompem o mandato para exercer cargos nos governos; (2) que trocam de partidos em plena vigência de mandato; (e) que não têm conduta ilibada no exercício de suas funções; (4) e que não tenham assiduidade regular no Legislativo. Enfim, falta maior fiscalização externa ao Parlamento nacional.

Por outro lado, temos muitos partidos políticos no Brasil sem necessidade. E estamos criando mais. O dinheiro que vai abastecer os partidos políticos poderia ser direcionado para atendimento das necessidades sociais. Ademais, a quantidade de partidos políticos beira a irresponsabilidade das normas vigentes que permitem essa excrescência. A verdade é que no Brasil não existem partidos políticos, mas sim um cipoal de siglas partidárias, com políticos sem identificação ideológico-partidária, que só visam às luzes da ribalta do poder.

Para o bem da nação e economicidade de recursos, deveriam ser extintos os partidos políticos, os quais só dão despesas ao Erário. Em seu lugar deveria ser implantado o instituto da candidatura avulsa, sem vinculação partidária. Com isso, desapareceria a figura nefasta do fisiologismo político do toma lá, dá cá, que tem sujeitado os governos ao loteamento político dos cargos públicos com os partidos que lhes deram sustentação para eleição.

* Júlio César Cardoso Bacharel em Direito e servidor federal aposentado



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.