Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Monitoramento em mídias sociais

Monitoramento em mídias sociais

20/01/2017 Ricardo Heidorn

Ano novo, estratégias nem tão novas assim

Monitoramento em mídias sociais

As tendências do monitoramento em mídias sociais para este ano são uma evolução do que já vem sendo apresentado nos últimos anos. Os rumos levam em consideração duas características de 2017 que vem por aí.

A primeira é a crise. Em função dos problemas financeiros que assolam o Brasil, as estratégias digitais precisaram se adaptar para trazer melhores resultados estratégicos. Isso fica bem claro quando se percebe o monitoramento de crises e da concorrência entre as principais tendências de utilização da ferramenta para o próximo ano.

A segunda característica é a do relacionamento. Já é consenso no mundo empresarial que o bom relacionamento com o cliente é a base de qualquer negócio, inclusive para transpor esse momento de crise econômica. E esse relacionamento, que antes era mais simples, tornou-se mais complexo com a revolução digital.

E é esse ritmo que dita as regras do novo ano: ouvir e compreender é ainda mais importante. Lembre-se que em um ano que relacionar é o verbo principal, saber ouvir seu cliente e até mesmo quem por algum motivo não gosta de você, tende a trazer vantagens anticrise para o seu negócio.

Se você já dispõe de uma ferramenta de monitoramento em mídias sociais e quer saber como alinhar a equipe para o próximo ano, ou se você ainda não investiu em algo desse tipo para a sua empresa, confira os cinco principais desafios e tendências do monitoramento para 201:

Fique atento às histórias que estão sendo contadas

O ser humano sempre gostou de contar histórias. Atualmente vemos diversos exemplos delas nas redes sociais. Com a chegada da tecnologia, ficamos ainda melhores. E qual o papel do monitoramento nisso? Saber quais histórias podem ter envolvimento com o seu produto. Em caso de algo negativo, é fundamental acionar o atendimento o mais rápido possível para a resolução do problema. Se for algo positivo, vale estudar a melhor forma de utilizar isso em favor da sua marca. Os dados fornecidos por narradores de histórias na internet muitas vezes são muito mais ricos que aqueles que obtemos por meio de pesquisas direcionadas.

Aproxime-se do seu público

Os resultados do ano passado indicam que 2017 terá um foco – já iniciado – no relacionamento com o cliente. Conhecer quem é o seu público e o que ele está falando é fundamental para uma aproximação que traga resultados efetivos no quesito fidelização de marca. Por meio de um monitoramento em redes sociais, é possível mapear e conhecer o seu público, o que ele fala de você e como ele fala de você. Com esses dados será mais fácil de desenvolver ações e campanhas que atinjam o cliente com objetividade e, principalmente, que gerem interesse sobre a marca.

Identifique oportunidades

Em um período de recessão econômica, é quase impossível conseguir aprovar um planejamento que precise de muitos especialistas para estudar as oportunidades de mercado. Por isso, em 2017 ouvir o que os seguidores sabem e dizem sobre a marca será uma prática com mais força do que nunca. Os comentários monitorados podem inspirar insights e sugerir caminhos altamente assertivos para trabalhar o marketing da sua empresa nas redes sociais.

Não menospreze o conhecimento do seu público, pois sem ele o seu negócio não se sustentará. Ele pode te ajudar a melhorar um produto ou serviço que você oferece ou indicar novas práticas e caminhos. Afinal, os clientes fazem parte da sua marca e estão olhando para ela de um ponto de vista que você talvez não consiga enxergar. Use o monitoramento como usa os seus ouvidos e fique atento ao que o público tem para dizer.

Monitoramento como estratégia contra a concorrência

Com um cenário de crise no Brasil, existe a tendência de que um dos focos do monitoramento em 2017 seja utilizá-lo para sair na frente da concorrência em produtos e ações. O monitoramento da concorrência é, de forma geral, útil há anos no mercado digital, uma vez que é por meio dele que se faz possível saber o que as outras marcas estão falando e principalmente o que os consumidores estão falando sobre a concorrência em relação ao seu negócio.

Por meio deste tipo de feedback, se torna viável a identificação dos pontos fracos de empresas que atuam em seu segmento. Essa informação pode ser utilizada em seu favor, desenvolvendo ofertas que atrairão clientes indecisos para sua empresa e não para os concorrentes.

O gerenciamento de crises por meio do monitoramento ganha força

A crise será responsável por ditar ainda uma outra tendência para o mercado de monitoramento de redes sociais: o gerenciamento de possíveis crises. O monitoramento de crises é importante pois coloca a marca em posição de constante ataque. Isso significa que em vez de esperar uma crise acontecer, se torna possível antecipá-la por meio de uma ferramenta de monitoramento de mídias sociais.

Sem esse acompanhamento, as organizações ficam mais expostas e, consequentemente, mais sujeitas a crises de imagem. Com as informações coletadas nesses ambientes, a marca consegue identificar, acompanhar e gerir o desenvolvimento de crises. Uma das melhores formas de fazer a diferença em períodos de crise está na capacidade de fazer diferente ainda que utilizando as mesmas ferramentas. Potencialize os usos de seu monitoramento e extraia aquilo de melhor que o novo ano reserva para seu negócio.

Práticas já conhecidas como o gerenciamento de crise e o monitoramento de concorrência, se aprimoradas e pensadas ainda no planejamento de ano novo, tendem a agir em favor da sua marca de forma altamente satisfatória. E é disso que o mercado precisa: negócios que extraiam o melhor de seus recursos, essa é sempre a grande tendência e o principal desafio.

* Ricardo Heidorn é CEO da Seekr, empresa brasileira de soluções em relacionamento digital.

 



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.