Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não ao “novo” normal, sim a um normal de verdade

Não ao “novo” normal, sim a um normal de verdade

14/07/2020 Marcus Nakagawa

Escrevi um artigo no mês passado, em um dos maiores jornais do país, questionando este “novo” normal e recebi muitas mensagens de pessoas concordando e poucos discordando.

Na sua concepção, que é este “novo” normal? Dizem que após a pandemia e a quarentena voltaremos mais conscientes, mais sustentáveis, mais digitais e com mais discernimento de algumas atitudes.

Muitos, que puderam ficar em casa, acabaram estudando via internet, ajudando os seus filhos na educação em casa, comprando via aplicativos do celular, ajudando as lojas e restaurantes do seu bairro, comprando de pessoas que faziam comida, etc.

E, além de tudo, fazendo muitas doações. Segundo o Monitor das Doações da ABCR, chegamos a R$ 5,9 bilhões de reais doados.

Só o sistema financeiro os bancos e quem trabalha com o dinheiro, acabou doando cerca de 30% deste valor; o setor de alimentos e bebidas 13%; as empresas de mineração 9%; e as campanhas de doação e lives foram responsáveis por 8%.

E ainda, 5% doados por pessoas e famílias em sistemas de “vaquinhas” virtuais, como as plataformas Sharity ou a Kickante.

Mas o questionamento não é em relação a estas mudanças de comportamento durante a pandemia, pois realmente nunca tínhamos passado por uma situação parecida com esta nestes tempos modernos.

Temos, na verdade, que perguntar ou ficar indignados pois não podemos chamar de normal os tempos antes da quarentena.

Se chamarmos o antes de normal, estamos aceitando e consolidando a enorme desigualdade social; a morosidade pelas questões ambientais como o desmatamento e o aquecimento global; a crescente polarização, ódio e linchamento nas redes sociais; o racismo em todos os seus níveis; a preocupação do crescimento pelo crescimento, sem o foco na humanidade; o consumo inconsciente; entre outros grandes desafios das nossas gerações.

Estas “normalidades” podem ser aceitas por pessoas que acreditam em um mundo que não se pode mudar, influenciar, mobilizar ou normalizar.

“Isso é coisa de sonhador, Marcus”, já me disseram várias vezes. “O mundo é assim e ponto”. “O sistema funciona assim”. “Não dá para mudar”. “Cresça e seja adulto, Naka”. “Mudar para quê? Se está bom assim”.

Pois é, muitas destas frases que já escutamos e que continuamos “normalmente” ouvindo. Anormalidades, não é?

E o mais estranho é que continuamos assistindo nas telas pessoas inconformadas com estes “normais” como em Matrix e Star Wars, ou ainda, nas séries 3% e Expresso do Amanhã, da Netflix.

Talvez seja exagero cinematográfico e mercadológico uma revolução armada, mas muito interessante focar o direcionamento para um verdadeiro normal em busca de reais melhorias para todos e para o planeta.

Neste final de junho e começo de julho tivemos várias conferências e webinares de organizações que estão nesta trilha em busca desta “Normal Idade” (era do normal) como a Conferência do Instituto Ethos; o Fórum Impacta Mais ON, realizado pelo ICE, Impacta HUB São Paulo e Vox Capital; o Festival ABCR, que enfatizou as doações e as ações de captação de recursos no país; além das “pandemias” de LIVES como o Diálogos Envolverde; e muitos mais.

Ou seja, tem muita gente fazendo, debatendo e assistindo este movimento que busca um normal real. E temos parâmetros, objetivos e postulados para esta temática que muitos acham utopia.

Sim, será NORMAL quando conseguirmos fazer com que todos conheçam, entendam e pratiquem os Direitos Humanos e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

Nestes documentos está o que, racionalmente, muitos países e pessoas se juntaram para falar o que seria normal para as pessoas e planeta. São metas, indicadores e paradigmas para serem trabalhados.

Gosto de falar que é um “sonho comum” da humanidade. Temos que evoluir todos juntos, regenerar o planeta e buscar soluções inclusivas, equitativas, em larga escala e para todos.

Buscar um normal de verdade, talvez seja este “propósito” que muita gente está procurando alcançar em livros, cursos, workshops e palestras.

Fazer acontecer um normal de verdade é o que temos que realizar no nosso dia a dia. Em cada escolha, em cada compra, em cada ação nossa.

Ah, comece já parando de falar deste conceito “novo” normal!

* Marcus Nakagawa é professor da ESPM, coordenador do Centro ESPM de Desenvolvimento Socioambiental (CEDS).

Fonte: Oficina da Comunicação Integrada



Saúde e Compliance na era da Governança de Riscos

Os desafios e pressões enfrentados pelo setor de Saúde devido à crise da Covid-19 terão efeitos significativos sobre a necessidade, já inerente ao setor, de aumentar o nível de maturidade de programas de Governança, Riscos e Compliance (GRC).


Inovação no plano de saúde corporativo atrai e retém talentos

A pandemia provocou a transformação de diversos setores, incluindo o de plano de saúde corporativo.


Aviso e anúncios nas redes sociais

Ao abrir, hoje, a minha rede social para ver as publicações de meus amigos, deparei, varado, com aviso, informando-me que certa matéria, colocada por mim, era parcialmente falsa.


Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.