Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O Brasil e o seu lugar nas Olimpíadas

O Brasil e o seu lugar nas Olimpíadas

19/09/2016 Salomão Salum

Como os negócios estão surfando nesta onda olímpica?

O maior evento esportivo do mundo aconteceu, tendo como palco o Rio de Janeiro, que sempre teve uma ligação muito forte com esse universo: das bolas que rolam no Maracanã, às que empolgam no futvôlei em Ipanema.

E não acabou: ainda vão empolgar o público mundial, através das Paralimpíadas. O fato é que, cada vez mais, novos esportes são praticados em suas curvas, como a corrida que rodeia a lagoa ou as bikes, que ganham mais espaço pelos bairros da cidade.

Como, então, os negócios estão surfando nesta onda olímpica? Um evento desse porte fez e faz com que o Brasil se torne foco, não apenas permitindo que o mundo olhe para o País, mas também fazendo com que nós mesmos olhemos e busquemos para nosso dia a dia, histórias e inspirações para práticas mais saudáveis, em diferentes âmbitos: desde a gestão dos negócios, até mesmo enquanto profissionais, sem deixar de lado nossa relação com familiares e amigos.

Afinal, se os atletas conseguem se superar, porque não seguir seus passos? Toda essa atmosfera nos força, positivamente, a sair da zona de conforto, fazendo-nos encarar, não só os desafios internos como pessoas e também nação, mas também, os externos enquanto competidores num mundo cada vez mais globalizado.

E, desta forma, este é um evento que nos apresentou (e continua apresentando) as facetas quanto aos investimentos e dedicação de diferentes países para o segmento esportivo, e é aí que é possível perceber o quanto ainda temos gargalos e potencial para crescer e inovar.

Os brasileiros, em transposição de obstáculos diários, com vitórias e derrotas subsequentes, detêm muita determinação, sendo este o salto principal para que os avanços necessários, em diversas áreas, como infraestrutura, segurança, saúde e educação, sejam possíveis de alcançar, gerando um cenário de muitas oportunidades para o Brasil.

Nessa categoria, a chancela do "país do futebol" foi além. Anfitriões de mais de dez mil atletas das mais diversas modalidades de esportes - até mesmo as inseridas recentemente, como rugby e golfe -, com atletas consagrados em diferentes modalidades e as novas promessas (esperadas e surpreendentes), trilhamos novos caminhos e estamos escrevendo um capítulo olímpico para a nossa história.

Além do Rio de Janeiro, as cidades de São Paulo, Brasília, Manaus, Salvador e Belo Horizonte também emergeram, aumentando a base de apreciadores, com mais de 7 milhões de ingressos vendidos nas Olimpíadas e outros 1,5 milhão nas Paralimpíadas.

Cada obra no município, cada comércio local que se adequou ao espírito olímpico e cada movimentação realizada pelos turistas, sejam brasileiros ou estrangeiros, proporcionou - e ainda proporcionará - uma série de benefícios econômicos e culturais, potencializando esse clamor pelo esporte.

E, para este segmento, os negócios são ainda mais animadores, desde que não se perca o timing. Com a estratégia certa, é possível capitalizar o anseio dos brasileiros e estrangeiros, colocando à disposição de cada torcedor, os produtos e acessórios que estão sendo vistos nas pistas.

O consumidor, certamente, vai querer usar amanhã o que o atleta utilizou e/ou utilizará. De toda forma, marcas, distribuidores e lojistas devem estar preparados e com estratégias focadas em manter a forma após as competições, já que, no mundo dos negócios, a preparação e a manutenção também são salutares para diferenciar quem deve ocupar, nos próximos meses, o primeiro lugar ao pódio.

* Salomão Salum é graduado em administração pela FAAP atua no varejo há 20 anos e é sócio-diretor do Grupo Afeet.



Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.