Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O depoimento da jararaca

O depoimento da jararaca

16/05/2017 Bady Curi Neto

O “MMA” esperado não ocorrera.

O Brasil esperava ansioso o depoimento do ex-presidente Lula no processo que tramita perante a justiça Federal de Curitiba, onde figura como réu, sendo acusado pelo Ministério Público de corrupção e lavagem de dinheiro.

Como se fosse o enfrentamento do século, em uma suposta disputa entre Lula versus o Juiz Sérgio Moro, magistrado responsável pelos processos da denominada operação Lava Jato, e não uma fase corriqueira do processo Penal.

O que é inusitado não é o depoimento, mas um ex-presidente da República responder a tantos processos criminais com acusações gravíssimas, corrupção e lavagem de dinheiro. Tantos os simpatizantes do ex-presidente, quanto seus adversários que esperavam discursos inflamados, em um verdadeiro octógono jurídico, tiveram o esperado “espetáculo” frustrado.

Nesta fase processual, é dado ao réu o direito de se defender e esclarecer fatos através de seu depoimento, podendo, inclusive, ficar calado ou deixar de responder uma ou outra pergunta. Em nossa legislação Penal o réu não é obrigado a fazer prova contra si. Neste mesmo diapasão, o réu ao mentir em juízo não comete crime (perjúrio) como ocorre nos Estados Unidos da América.

No nosso ordenamento jurídico tipifica como crime fazer afirmação falsa, ou negar ou calar a verdade somente a testemunha, perito, contador, tradutor ou intérprete, portanto, pode o réu faltar com a verdade ou calar-se, certo que a ele é defeso não se auto incriminar.

A meu ver, o depoimento do ex-presidente transcorreu de forma correta, com o magistrado fazendo perguntas que achava conveniente para instrução processual e o réu respondendo, com o auxílio de seus advogados, respondendo aquelas perguntas que entendia serem frutos exclusivos da denúncia e não o comprometiam.

Evidentemente, a tensão de um depoimento judicial estava presente. Não deve ser aprazível estar na frente de um Juiz para defender-se de crimes que lhe são imputados, o que denota o nervosismo do ex-presidente, por óbvio.

O juiz Sergio Moro, tratou o réu com a lhaneza que lhe é peculiar, dando um tratamento respeitoso, sem perder a firmeza da condução da audiência, a ponto de solicitar ao representante do Ministério Público ao formular suas perguntas, atendendo um pedido da defesa, o tratamento de “ex-presidente” para com o réu em vez de “senhor”, no que foi atendido.

O “MMA” esperado não ocorrera; primeiro porque o magistrado tem o dever/obrigação da imparcialidade para que possa julgar com serenidade as provas dos autos; segundo que o enfrentamento é entre acusação e réu, logicamente, cada um exercendo o seu papel com civilidade; e terceiro que a sala de audiência não é o local apropriado para palanque e discursos políticos.

O desabafo da jararaca (não é um tratamento desrespeitoso, apenas utilizo a autodenominação do ex-presidente em um de seus discursos) no final do depoimento, questionando algumas decisões do Juízo, em nada altera o processo, decisões são atacadas através de recurso e não pelo simples falatório do acusado.

Quanto às escusas da jararaca e a imputação da responsabilidade pelo tríplex à dona Marisa, deve-se ter em mente de que o réu não responde por perjúrio.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.