Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O esgarçamento da palavra preconceito

O esgarçamento da palavra preconceito

20/01/2024 Leonardo de Moraes

É importante reservar o uso da palavra “preconceito” para questões mais sérias, inaceitáveis, que separam grupos e semeiam ódios.

Em algum momento da nossa evolução linguística, a palavra preconceito passou a ser usada para todas as contraviesses da vida, todas as rejeições que as pessoas sofrem, todos os “nãos” esfregados em suas expressões estéticas ou comportamentais.

No dicionário, preconceito significa: “1. Conceito ou opinião formados antes de ter os conhecimentos necessários sobre um determinado assunto; 2. Opinião ou sentimento desfavorável, concebido antecipadamente ou independente de experiência, ou razão; prevenção”.

Assim, o real preconceito relaciona-se à pressa de julgamento, à desconsideração de valores e motivos que levam algo ou alguém a ser de tal, ou qual jeito e, formular um raso juízo de valor.

Ser preconceituoso significa destratar, excluir, ridicularizar antes de entender razões, caminhadas que levaram alguém a se expressar daquela maneira.

Sendo assim, nem tudo é preconceito. É possível que, infelizmente, você esteja sofrendo rejeição, desdém ou desprezo mesmo...

Faz parte da vida não ser gostado, não gostar, mesmo após todos os argumentos intelectuais e emocionais terem sido colocados na mesa. É possível sofrer “pós-conceito” … C’est la vie.

Recentemente, me deparei com uma reportagem em que uma mulher de corpo escultural reclamava: “sofro preconceito por ser fisiculturista”.

Outros dias, outras reportagens: “sofri preconceito por ser muito tatuado”; “por ser vegano”; “por ser ex-BBB”; “por não levar meus filhos para vacinar”.

Há real preconceito quando a percepção inicial se desdobra em presunções tomadas por verdadeiras, sem qualquer reflexão sobre o assunto, como “tatuados estão ligados ao crime”, “fisiculturistas usam anabolizantes”, “veganos se alimentam mal”, “ex-BBBs não têm talento”.

Esse tipo de afirmação, revestida de pseudo-certeza, caracterizam preconceito, mas não se pode confundir com a “livre manifestação do conceito” - alguns gostos, regras e desejos são pessoais e estão além da linha da condenação, fazem parte da própria expressão de individualidade ou pertencimento de outros grupos.

Não somos todos destinados à suprema popularidade de nossas idiossincrasias. E não vale forçar a porta de entrada da aceitação, tampouco fazer concessões ao gosto alheio – continuemos sendo quem desejamos ser, celebrando nossa liberdade individual.

É importante reservar o uso da palavra “preconceito” para questões mais sérias, inaceitáveis, que separam grupos e semeiam ódios; para questões históricas e étnicas, cuja agressão social a direitos humanos fundamentais leva vidas às sombras e à anulação de suas expressões.

O resto talvez seja simples rejeição – palavra que fere os ouvidos do vaidoso e não garante manchete. Coisas dessa sociedade de espetáculo em que vivemos, na qual o desejo de unanimidade contaminou nossos corações com a busca de um protagonismo irreal que, muitas vezes, não sofre por preconceito, mas pela negativa à sua insaciável busca por aplauso.

* Leonardo de Moraes é mestre em Direito do Estado, professor de Direitos Humanos e tabelião.

Para mais informações sobre preconceito clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: LC Agência de Comunicação



O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan