Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O fim de 2017 encerrará a crise política no Brasil?

O fim de 2017 encerrará a crise política no Brasil?

01/01/2018 Narlon Xavier Pereira

Que a crise política seja superada e que a nossa economia dê sinais mais fortes de recuperação.

Havia quem acreditava-se que o fim de 2016 encerraria um ciclo de crise política e econômica no Brasil, o povo brasileiro brindava a chegada de 2017, que nascia cheio de esperança e de ranços do ano anterior.

Afinal de contas, onde nós erramos? De quem é a culpa dessa crise? É o que milhões de brasileiros se perguntam todos os dias quando acompanham os noticiários de política. É inegável não reconhecer que estamos vivendo um dos piores momentos de nossa jovem democracia desde a redemocratização.

A Operação Lava Jato deflagrada em 2014, vem demolindo o mundo político brasileiro, vários partidos e políticos tradicionais estão atolados até o pescoço em um lamaçal de acusações feitas por empreiteiras e corruptos confessos, inclusive até o atual Presidente Michel Temer, que teve duas denúncias arquivadas pelos deputados, cuja grande parte foi citado ou responde a processo jurídico.

Jurídico esse que vem atuando em dois seguimentos distintos, um mais rigoroso no combate a corrupção e outro mais complacente com penas mais leves quando se trata de operação lava jato.

Tanto o legislativo, quanto o executivo e principalmente o judiciário não vivem em um de seus melhores momentos, a credibilidade desses três poderes vem sendo colocada em cheque por conta de conflitos internos, fica cada vez mais notório percebermos que ambos tomam decisões e agem de acordo com a suas prerrogativas se baseando e tomando decisões pouco convencionais quando se trata de combate a corrupção.

Os representantes dos três poderes do Brasil volta e meia entram em conflitos e ao mesmo tempo colocam panos quentes em nome da “harmonia dos podes”. Dois mil e dezesseis de fato foi um ano muito duro e difícil, mas infelizmente dois mil e dezessete superou e nos fez mergulharmos em abismos mais profundos ainda da crise, o ano terminou e não vemos e nem percebemos sinais de melhoria, assim recorremos nossa pergunta anterior, Onde nós erramos?

Erramos talvez por não termos escolhido melhor os nossos representantes, ou por termos nos deixados sermos enganados pelas Face News ou como é conhecida Falsas Notícias, bem como além disso, por não termos gritado mais auto no estopim da crise em meados do ano de 2013, nós protestos que ficaram conhecidos como o gigante acordou.

Somos um País de democracia jovem que ao logo de pouco mais de um século de república vivenciou vários problemas de ordem política começando do primeiro presidente Marechal Deodoro da Fonseca que renunciou em 1891; de Afonso Pena que morreu vítima de uma pneumonia em 1909; de Washington Luís deposto pela revolução de 1930, de Getúlio Vargas que se suicidou em 1954; de Café Filho impeachmado em 1955, de Jânio Quadros que renunciou em 1961, de João Goulart deposto pelo golpe militar de 1964, de Costa e Silva afastado por derrame cerebral 1969 durante o governo Militar, de Fernando Collor de Mello impeachmado 1992 e mais recente Dilma Rousseff impeachmada em 2016.

Diante disso, só nos resta confiarmos em 2018, não esperando um postulante salvador da pátria, nem esperando uma reação positiva do congresso brasileiro ou muito menos do judiciário, a confiança que temos e que devemos apostar, é na estabilização política através de nossa arma mais poderosa contar a crise existente, que é o nosso título eleitoral, é através dele que podemos mudar o cenário de caos que se estabilizou no país, precisamos unirmos nossas forças em prol de um representante digno de nosso povo, que lute pelos ideias das pessoas mais humildes, que crie harmonia no congresso e no judiciário, que seja a favor da democracia e do fortalecimento da economia.

Por fim, não podemos perder a nossa esperança, O ano 2017 ficou para trás, não adianta mais queixarmos, do ano que findou, que os últimos acontecimentos sirvam de aprendizado para repararmos nossos erros. Afinal de contas já passamos por outras crises, é nosso dever como cidadão lutarmos por mudanças, a luta por um país melhor deve partir de cada um e não de um ou outra pessoa qualquer.

Que a constituição de nosso país seja seguida, e que não fique acima e nem a baixo de nenhum cidadão. Que 2018 seja a nossa tabua de salvação. Que a crise política seja superada e que a nossa economia dê sinais mais fortes de recuperação através de novos postos de trabalho e que esse novo ano seja de transformação positiva para o Brasil.

* Narlon Xavier Pereira é graduado em Ciências Biologias pela Universidade do Estado da Bahia – UNEB e mestrando em Ciências Ambientais pela Universidade Estadual Paulista – UNESP – Sorocaba.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa