Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O futuro do setor bancário: entre o digital e o tradicional

O futuro do setor bancário: entre o digital e o tradicional

15/06/2022 Itamir Caciatori Junior

Os bancos estão passando por uma considerável mudança no Brasil com a entrada de novos tipos de competidores.

A tão esperada digitalização, acelerada com a pandemia da covid-19, afetou também a competição no eficiente setor bancário de nosso país.

Sim, porque dentre tantas consequências que a inflação nos trouxe, uma delas foi positiva: um sistema bancário tecnologicamente sólido e eficiente.

Nos últimos anos, o setor financeiro começou a sentir o impacto das FinTechs, empresas que misturam tecnologia da informação e finanças para fornecer serviços financeiros com alto grau de tecnologia para os clientes.

Especificamente, estamos falando das FinTechs que prestam serviços semelhantes aos bancos estabelecidos, denominadas bancos digitais.

Dentre os principais serviços oferecidos por essas empresas estão a abertura de contas, transferências via PIX e pagamentos de contas e tributos.

Uma característica peculiar e que concede vantagem aos bancos brasileiros estabelecidos é a quantidade e amplitude de produtos e serviços oferecidos.

Com a oferta de itens que superam a centena, esses bancos contemplam diversas necessidades de seus clientes, que vão desde consórcios até investimentos de alta complexidade.

Porém, ser digital também significa nascer digital. A simples digitalização, ou seja, colocar uma “máscara” nos bancos tradicionais e denominá-los de digitais parece não ser uma boa ideia.

Esse artifício pode ser facilmente percebido pelo correntista, o qual é rapidamente surpreendido com aviso de “compareça à sua agência” caso ocorra algum problema no seu app. Nos bancos digitais, que não possuem agências físicas, essa mensagem é impensável.

Ou seja, muitas vezes, os clientes dos “bancos de tijolo” recorrem às próprias agências de tijolo para resolver problemas originados no mundo digital.

Nesse ecossistema, começam a aparecer os bancos médios, autodenominados futuros hub de negócios. Essas empresas estão abertas para parcerias com outros bancos digitais e FinTechs.

Então, o futuro do setor bancário não será determinado apenas pelos movimentos dos grandes bancos estabelecidos ou pelos pequenos entrantes (mas crescentes) bancos digitais.

Os bancos de médio porte podem estabelecer parcerias lucrativas com bancos digitais abrindo seus negócios a essas empresas.

Não será fácil para os bancos digitais concorrerem com instituições com décadas de existência e sobreviventes a tantos infortúnios de uma economia tão conturbada.

Poucas foram as provas de fogo pelas quais os bancos digitais passaram até hoje. Dessa forma, ainda precisarão demonstrar resiliência para competir ombro a ombro com os bancos estabelecidos.

Uma forma de prever o futuro da competitividade é, por um lado, analisar as aquisições e criações de bancos digitais por parte dos bancos estabelecidos e, por outro, verificar o comportamento dos bancos digitais em relação às parcerias e fusões que se estabelecem no mercado com outros players.

Na análise da concorrência nos mercados financeiros, não se pode incorrer no erro de simplificar a questão. Não se está à procura de um "vencedor" no mercado. No futuro, é provável que o mercado se divida entre os tradicionais e os digitais.

Além disso, não se pode ignorar que novos participantes (por exemplo, Agentes Autônomos de Investimentos) também aumentem sua participação no mercado.

Porém, não se pode contestar o poder dos bancos estabelecidos e sua resistência durante a história do nosso sistema financeiro.

* Itamir Caciatori Junior é doutor em Administração, professor de Finanças da Escola de Negócios da Universidade Positivo (UP).

Para mais informações sobre setor bancário clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



Os dados estão maiores… e mais inteligentes!

Ter um banco de dados próprio sempre foi um recurso valioso para qualquer empresa.


Falar em público não é um bicho de sete cabeças

Em todos os momentos de nossa vida, precisamos nos “vender” e apresentar o melhor de nós e de nossas ideias, seja para nossos familiares e amigos, seja para nossos colegas de trabalho, clientes ou mesmo líderes.


Shows milionários, circo no lugar de pão ao povo

O emprego de quantias milionárias de dinheiro público na contratação de artistas para a atração e agrado do público em ano eleitoral é um disparate e verdadeiro crime contra a população que sofre com a falta de serviços e recursos básicos de obrigação dos governos.


O que fazer para tornar uma empresa franqueadora

O processo de franquia de uma empresa nem sempre começa da forma correta.


A Justiça Eleitoral é confiável?

As polêmicas levantadas pelo presidente da República e seus correlegionários sobre o processo eleitoral têm sido constantes, e acabam por criar em uma parcela da população um clima de incerteza sobre a confiabilidade das eleições e das instituições envolvidas.


A revolução do mercado não dá opções: ou muda ou morre!

Com o perdão da força de expressão no título deste artigo, é preciso dizer que ele traz mais verdades do que excessos. O mercado mudou radicalmente.


Polícia x Criminalidade

Novamente assistimos pelos jornais de todo o país e nas redes sociais, a nova operação da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro que resultou na morte de 12 pessoas e um policial ferido no olho por estilhaços.


Efeito pandemia: mercado de seguros é alvo da catalização da transformação digital

A pandemia da COVID-19 acelerou novos movimentos de migração de consumidores para o universo online, gerando um salto catalizador para a transformação digital.


Sic transit gloria mundi: o ex-juiz virou réu

Sic transit gloria mundi (toda glória no mundo é transitória), era utilizada no ritual das cerimônias da coroação papal até 1963.


Os riscos do homeschooling para a educação básica no Brasil

O homeschooling ou ensino domiciliar é uma modalidade que se pretende aplicar na educação básica do Brasil.


O futuro já não dura tanto tempo

A situação vivida por uma mulher que, em franco surto psicótico, foi encontrada por seu companheiro mantendo relações sexuais com um homem que vive em situação de rua, dentro de um carro, espalhou-se pelas redes sociais.