Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O novo capítulo de um velho conflito

O novo capítulo de um velho conflito

25/10/2023 João Alfredo Lopes Nyegray

Na manhã de sábado, dia 7 de outubro, combatentes do Hamas lançaram um ataque sem precedentes contra Israel.

Nas primeiras horas do conflito, mais de 5 mil foguetes e bombas haviam sido lançados contra alvos israelenses, resultando na morte e captura de dezenas de civis.

Esse movimento inédito em termos de força, armamento e coordenação já deixou marcas profundas no Oriente Médio e na geopolítica. 

O Hamas é um grupo político e militar palestino que surgiu na década de 1980. Seu nome é uma abreviação de "Movimento de Resistência Islâmica" em árabe (Harakat al-Muqawama al-Islamiya).

O grupo foi criado durante a Primeira Intifada, um levante palestino contra a ocupação israelense nos territórios palestinos. O Hamas tem uma natureza complexa, pois atua tanto como organização política como grupo armado.

Uma de suas principais características é a resistência armada contra Israel, utilizando táticas como atentados suicidas, lançamento de foguetes e confrontos militares. Ao mesmo tempo, o Hamas também participa de eleições políticas.

m 2006, o grupo venceu as eleições legislativas na Faixa de Gaza – o que levou a uma divisão entre o Hamas e a Autoridade Palestina, liderada pela Fatah.

Isso resultou em conflitos internos e na tomada de controle do Hamas na Faixa de Gaza em 2007. Desde então, Israel considera o Hamas uma organização terrorista, enquanto alguns países e analistas destacam a complexidade da situação, argumentando que o grupo tem uma base popular significativa na região.

No sábado, dia 7 de outubro, exatamente 50 anos e um dia após a guerra do Yom Kippur – em que uma coalizão de países árabes liderados por Egito e Síria invadiu Israel.

Nesse episódio, combatentes do Hamas invadiram dezenas de lugares em Israel, desencadeando o ataque mais grave da última geração.

Civis foram alvejados e feitos reféns. Horas depois, Israel respondeu com ataques aéreos em várias regiões da Faixa de Gaza.

Ainda que esse ataque seja sem precedentes, o conflito entre israelenses e palestinos pela região é bastante antigo, remontando ao final do século XIX e início do século XX.

Nesse período, houve um aumento do movimento sionista, que buscava estabelecer um lar nacional judeu na Palestina, então parte do Império Otomano.

A Declaração de Balfour, emitida pelo Reino Unido durante a Primeira Guerra Mundial em 1917, expressou o apoio britânico à criação de um "lar nacional para o povo judeu" na Palestina.

Após a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto, o movimento sionista ganhou mais força, e, em 1947, a ONU propôs a partilha da Palestina em um estado judeu e um estado árabe.

A criação do Estado de Israel em 1948 provocou uma guerra entre os estados árabes e Israel. Israel emergiu vitorioso e ampliou seu território, enquanto muitos palestinos se tornaram refugiados.

Desde então, houve vários conflitos na região, incluindo guerras, intifadas e confrontos, alimentando a contínua disputa pelo território.

O que estamos testemunhando agora é um capítulo sem precedentes desse conflito antigo: o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, lançou a operação “Espadas de Ferro”, declarando guerra em resposta imediata à incursão do Hamas.

Até o momento, mais de 300 mil reservistas israelenses foram convocados – o que também é inédito. Em resposta aos mais de 700 israelenses mortos, o governo de Israel pediu que os moradores da Faixa de Gaza deixem suas casas.

Embora a geografia da região seja um complicador, não se descarta uma ação militar israelense em terra na Faixa de Gaza.

Os serviços de água, telefonia e energia estão suspensos na região, assim como o envio de alimentos e combustíveis. 

No início desta semana, os mercados repercutem os assustadores ataques de sábado e a incerteza geopolítica do momento. O preço do petróleo está em alta, assim como a volatilidade do mercado energético.

Em um momento de inflação elevada, projeta-se um aumento ainda maior nos preços em geral – especialmente em virtude de um possível aumento duradouro no preço do petróleo.

Outro questionamento frequente após o ataque de sábado é sobre a preparação e o armamento do Hamas. Quem teria armado o grupo e auxiliado na coordenação das ações militares?

Enquanto muitos analistas apontam para o Irã, o regime de Teerã nega qualquer envolvimento. Os serviços de inteligência e segurança de Israel também afirmam ainda que há militantes do Hamas infiltrados em seu território, o que indica que a luta continuará nas próximas semanas.

Certamente, a resposta israelense será bastante forte, aumentando não apenas a tensão no Oriente Médio, mas também as incertezas geopolíticas globais.

Deve-se ressaltar que qualquer esforço de guerra continuado por parte de Israel terá impactos até mesmo em Kiev. Afinal, o fornecimento ocidental de armas, que até o momento vinha servindo à Ucrânia, seria dividido com Tel-Aviv.

* João Alfredo Lopes Nyegray é doutor e mestre em Internacionalização e Estratégia.

Para mais informações sobre Israel e Hamas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Central Press



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa