Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que não entra em férias…

O que não entra em férias…

07/01/2019 Antoniella Cavassin e Danielle Barriquello

Atividade e práticas que as famílias podem adotar durante o período de férias.

O que não entra em férias…

O final do ano gera grande expectativa nas crianças e adolescentes, que começam a planejar suas férias e a pensar numa nova rotina. Entre os assuntos e temas prediletos, muitas vezes estão a companhia dos amigos da escola e a própria escola. Mais ou menos o que os pais fazem quando estão longe dos filhos e passam uma boa parte do tempo, ou quase todo ele, falando dos filhos.

É comum encontrarmos mães e pais que, no último dia de aula, voltam o olhar para a professora e lançam as seguintes questões: “A colônia de férias aqui da escola começará quando?” Considerando que estamos diante de um intervalo escolar longo, o que colocar no lugar? Como preencher esse tempo? Há pais preocupados com a ociosidade de seus filhos e já pensam na “ginástica” que deverão fazer para ocupar esse período livre. Férias para quem? Recesso do quê?

As perguntas que fazemos sobre como ocupar esse período podem estar arraigadas a uma cultura de produção, que tem como foco a quantidade e a velocidade recorde com que tudo acontece. O tempo em que não se “produz” preocupa, incomoda, gera ainda mais angustias. Mesmo criticando esse contexto, muitas vezes olhamos para nossos filhos e sugerimos que aproveitem o mês de férias para colocar tudo em dia, como fazemos com o nosso tempo livre, nos preparando para outro tempo e não vivendo o tempo que nos é presenteado. Preparar-se? Antecipar? Colocar em dia?

Precisamos orientar nossas crianças sobre como desfrutar o tempo livre. O sociólogo Domenico de Masi, que designou esse tempo de “ócio criativo”, nos alerta para o fato de que hoje as máquinas podem realizar grande parte dos trabalhos que, até há bem pouco tempo, necessitavam da força física do homem. Assim sendo, restaram ao homem as atividades criativas.

O mundo precisa de pessoas que dêem férias para tudo que funciona com o piloto automático, dando espaço para as manifestações criativas. Pessoas com habilidades de investigação, que busquem a construção de novos significados, em que o investimento do tempo esteja a serviço de um pensamento crítico, criativo e cuidadoso. Crítico no conhecimento, criativo na atuação e cuidadoso com a humanidade.

À escola cabe dar subsídios às crianças e adolescentes para o desenvolvimento dessas habilidades, mostrando que as relações que estabelecemos com o conhecimento partilhado no colégio estão em sintonia com esse mundo e nos mobilizam ainda mais, quando estamos fora dele, a exercitar um olhar que interroga, investiga, opina, pensa em contrapontos, o tempo todo, sem tirar férias!

A nós, adultos, cabe lembrar que estas habilidades são desenvolvidas, também, por meio da literatura, da música, do teatro, do cinema, de encontros sem cronômetro, de olhares suspensos, de orelhas que não se cansam de escutar, do bolo saboreado, do almoço mais demorado, do computador desligado, da televisão assistida a dois, de um mundo de injustiças também conversado.

Interrogar, opinar, pensar em contrapontos, criar novas possibilidades de relações com as pessoas e com o mundo, colocam de férias permanentes a passividade, a repetição e o desencontro e convocam para ação sujeitos ativos, marcados pelos valores do encontro, da solidariedade, do compromisso ético, que saem de férias conosco!

*Antoniella Cavassin é coordenadora do Ensino Fundamental Anos Iniciais do Colégio Marista Santa Maria.

* Danielle Barriquello é coordenadora do Ensino Fundamental Anos Iniciais da Rede Marista de Colégios.
Fonte: Pg1 Comunicação



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.