Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O resgate dos brasileiros na área de guerra

O resgate dos brasileiros na área de guerra

14/10/2023 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Chegou, na madrugada do dia 11/10 o primeiro vôo da FAB (Força Aérea Brasileira) trazendo os primeiros 211 brasileiros resgatados da guerra entre Israel e o Hamas.

É o começo de uma longa operação que já tem 2700 candidatos inscritos para o transporte, mas dependendo da evolução do conflito, poderá ter muito mais e estender-se por muitos dias ou meses.

Na primeira viagem – um vôo de 14 horas entre Tel-Aviv e Brasilia - vieram resgatados residentes no Brasil que faziam turismo na região.

Mas lembremos que existem 14 mil brasileiros residentes em Israel e outros 6 mil na faixa de Gaza, além de alguns outros milhares nos demais países da região, onde poderão também enfrentar problemas que justifiquem sua remoção emergencial.

O mais desafiador para o nosso país, no momento, são os assassinatos dos dois jovens brasileiros – a carioca Bruna Valeanu e o gaúcho Ranani Nidejelski Glazer, arrastados e abatidos pelos ativistas do Hamas e – a nova preocupação causada pela notícia divulgada por Israel de que há reféns brasileiros em poder do Hamas, em Gaza.

Não obstante o resgate iniciado pela FAB, está faltando o posicionamento claro do governo brasileiro, voltado específicamente pelo cessar-fogo e distanciamento de questões ideológicas que o une aos dois lados do conflito.

Considerando a existência de brasileiros em ambos os territórios conflagrados, a postura mais adequada do presidente Lula e de seu governo deveria ser pelo fim dos ataques e contra as ações extremadas que contrariam as leis internacionais sobre guerras.

Especialmente o respeito à população civil, que via de regra não guarda qualquer relação com a motivação das guerras.

O governo brasileiro, sua diplomacia e suas forças políticas não podem ficar inertes e muito menos admitir que seus aliados ideológicos – matem brasileiros impunemente.

Mexam-se, senhores, mexam-se, instituições brasileiras, acionem os organismos internacionais em proteção aos brasileiros em risco ou já prejudicados.

Que Lula empenhe seu prestígio internacional em favor dos concidadãos que correm risco na área de guerra.

Não precisa desembarcar num dos lados do conflito, mas cumpra o dever de proteger os brasileiros. Só dessa forma é que poderá conquistar o respeito internacional e o reconhecimento do povo.

Já que manifestou tempos atrás o desejo de terminar a carreira política como Nelson Mandela, atue pela proteção dos brasileiros, da mesma forma que fez o líder sul-africano, cuja ação deu-se integralmente dentro do seu país e o prestígio internacional só veio em função dos resultados auferidos pelo seu povo.

Não doure a pílula por ideologia, cumpra suas obrigações para com a Nação. Faça todo o possível para que brasileiros não continue morrendo na guerra que não lhes pertence.

Para terminar. Aqueles que classificam como terrorismo os acontecimentos de 8 de janeiro, não podem se calar quando o Hamas mata e persegue nossos patrícios.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre guerra clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira