Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O stress e a inadimplência

O stress e a inadimplência

25/10/2020 Victor Loyola

O cenário econômico brasileiro não é dos melhores.

Como se não bastasse os 62,8 milhões de consumidores inadimplentes, temos 13,4 milhões de pessoas em busca de emprego.

Um ciclo nada saudável que, para piorar, se retroalimenta: se não tem emprego, não tem dinheiro, e sem dinheiro não tem como movimentar a economia.

Para tentar resolver a situação, muitas pessoas recorrem a empréstimos para saldar as dívidas ou ao famoso cartão de crédito para “adiar” um pouquinho as contas que estão para chegar, e aí vem mais um problema.

É que pegar dinheiro emprestado do banco a curto prazo custa muito caro e, por aqui, já acostumamos a usar o cartão de crédito como meio de pagamento e não como forma de acesso ao crédito, como deveria ser.

Estamos falando da maior taxa de juros cobrada pelos bancos, ou seja, quem usa o rotativo do cartão está com problemas financeiros muito graves ou é muito imprudente.

Como o dinheiro é um fator de muita influência na rotina dos brasileiros (principalmente a falta dele), a dor de cabeça de ficar no negativo não se restringe apenas à conta bancária.

O sufoco para pagar as contas e todo aquele desdobramento para fazer o dinheiro sobrar no final do mês influencia em vários aspectos a vida do trabalhador e, principalmente, na sua fonte de renda - o trabalho.

Imagine trabalhar o mês inteiro sabendo que o salário mal dá para pagar as contas. Os boletos não param de chegar e você está preocupado com as despesas básicas que fazem parte da vida de qualquer pessoa, como água, luz e comida.

E se o dinheiro não der? Some isso ao medo de perder o emprego e ser mais um sem renda. Impossível ser produtivo nessas condições.

Quando a saúde financeira vai mal, os resultados são sentidos diretamente no âmbito profissional, fonte de boa parte do dinheiro que movimenta a economia. Quanto mais aflito e ansioso em relação às dívidas, menor será o rendimento do trabalhador.

Por isso, se faz cada vez mais necessário democratizar o acesso ao crédito de uma forma justa e oferecer alternativas para que o trabalhador brasileiro não seja refém da própria conta bancária.

Ao conseguir resolver os problemas financeiros sabendo que será possível colocar as contas em dia e pagar o crédito emprestado sem que isso vire uma bola de neve, é possível ocupar a cabeça com outros objetivos como, por exemplo, a carreira.

Um ciclo produtivo e saudável para o funcionário, as empresas e a economia como um todo.

* Victor Loyola é empresário do ramo financeiro, sócio e coCEO da Consiga+, empresa de crédito consignado privado que acredita na democratização do crédito no Brasil.

Fonte: Betini Comunicação



Startups ampliam o mercado de trabalho jurídico

Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), temos atualmente no Brasil 12.700 dessas empresas, número 20 vezes superior se compararmos com 2011, quando eram contabilizadas 600.


Aprendizados durante a pandemia e a importância da inovação para o mercado

O momento atual tem sido de muito aprendizado para todos.


Eca 30 anos: o que mudou nas nossas vidas?

No bojo da redemocratização do país nas décadas de 1980, 1990, muitas mudanças ocorreram para a melhoria da sociedade que vivemos.


Como músico, advogado e padre, saíram de boa

Quando, em 1945, os americanos ocuparam Garmish, um jeep, cheio de soldados, estacionou, à porta da casa de Richard Strauss.


Queremos mesmo extinguir o dinheiro?

Com o aumento do uso de meios de pagamentos digitais, não raras vezes se ouve no debate público a afirmação de que, no futuro, o ideal seria extinguir o dinheiro em espécie.


Assalto a banco, prisão perpétua e pena de morte

O país volta a ser sacudido pelos ataques de grupos armados a agências bancárias, transportadoras de valores, carros-fortes e outros lugares onde são armazenadas elevadas somas em dinheiro.


Empresas existem para cuidar das suas comunidades

Certa vez, me pediram para dar aula de Teoria Geral da Administração para uma turma de 1º ano de graduação.


Como fazer o planejamento financeiro pós-pandemia e para 2021

O planejamento financeiro tornou-se fundamental no mundo pós-pandemia.


Pandemia, juros baixos e a retomada do setor imobiliário

Assim como em outros setores, entre a segunda quinzena de março e o fim de maio, ocorreu um bloqueio total do mercado imobiliário por conta do desconhecimento da pandemia.


Feliz Dia do Síndico

Em comemoração ao Dia do Síndico, este artigo de opinião procura estimular uma profunda reflexão sobre o verdadeiro papel do síndico e do próprio comportamento na figura do representante do condomínio junto à sociedade.


A saúde mental dos seus colaboradores pede atenção

O ano de 2020 foi muito conturbado, com diversos acontecimentos.


A diferença entre o artista e o empresário

Em primeiro lugar, deixe-me esclarecer: quando se fala em artista no mundo dos negócios, se fala no profissional ou técnico que tem determinado conhecimento específico ou habilidade.