Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O stress e a inadimplência

O stress e a inadimplência

25/10/2020 Victor Loyola

O cenário econômico brasileiro não é dos melhores.

Como se não bastasse os 62,8 milhões de consumidores inadimplentes, temos 13,4 milhões de pessoas em busca de emprego.

Um ciclo nada saudável que, para piorar, se retroalimenta: se não tem emprego, não tem dinheiro, e sem dinheiro não tem como movimentar a economia.

Para tentar resolver a situação, muitas pessoas recorrem a empréstimos para saldar as dívidas ou ao famoso cartão de crédito para “adiar” um pouquinho as contas que estão para chegar, e aí vem mais um problema.

É que pegar dinheiro emprestado do banco a curto prazo custa muito caro e, por aqui, já acostumamos a usar o cartão de crédito como meio de pagamento e não como forma de acesso ao crédito, como deveria ser.

Estamos falando da maior taxa de juros cobrada pelos bancos, ou seja, quem usa o rotativo do cartão está com problemas financeiros muito graves ou é muito imprudente.

Como o dinheiro é um fator de muita influência na rotina dos brasileiros (principalmente a falta dele), a dor de cabeça de ficar no negativo não se restringe apenas à conta bancária.

O sufoco para pagar as contas e todo aquele desdobramento para fazer o dinheiro sobrar no final do mês influencia em vários aspectos a vida do trabalhador e, principalmente, na sua fonte de renda - o trabalho.

Imagine trabalhar o mês inteiro sabendo que o salário mal dá para pagar as contas. Os boletos não param de chegar e você está preocupado com as despesas básicas que fazem parte da vida de qualquer pessoa, como água, luz e comida.

E se o dinheiro não der? Some isso ao medo de perder o emprego e ser mais um sem renda. Impossível ser produtivo nessas condições.

Quando a saúde financeira vai mal, os resultados são sentidos diretamente no âmbito profissional, fonte de boa parte do dinheiro que movimenta a economia. Quanto mais aflito e ansioso em relação às dívidas, menor será o rendimento do trabalhador.

Por isso, se faz cada vez mais necessário democratizar o acesso ao crédito de uma forma justa e oferecer alternativas para que o trabalhador brasileiro não seja refém da própria conta bancária.

Ao conseguir resolver os problemas financeiros sabendo que será possível colocar as contas em dia e pagar o crédito emprestado sem que isso vire uma bola de neve, é possível ocupar a cabeça com outros objetivos como, por exemplo, a carreira.

Um ciclo produtivo e saudável para o funcionário, as empresas e a economia como um todo.

* Victor Loyola é empresário do ramo financeiro, sócio e coCEO da Consiga+, empresa de crédito consignado privado que acredita na democratização do crédito no Brasil.

Fonte: Betini Comunicação



Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.


Você já respirou hoje?

Diagnóstico e tratamento corretos salvam vidas na fibrose cística.


Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.