Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Opinião: Fifa é um caso perdido

Opinião: Fifa é um caso perdido

27/05/2015 Stefan Nestler

Numa empresa administrada corretamente, Blatter já teria sido forçado a sair há muito tempo.

A Fifa é corrupta até seus mais altos escalões – esse é um fato consumado. Pouco antes do congresso anual da entidade em Zurique, foram presos seis altos funcionários seus.

Com base em dados dos investigadores dos Estados Unidos, eles são acusados de embolsar, ao longo de décadas, mais de 100 milhões de dólares em propinas nas negociações de direitos de transmissão e marketing de campeonatos nas Américas do Norte, Central e do Sul.

Entre os detidos estão dois dos oito vice-presidentes do comitê executivo, órgão regente da entidade máxima do futebol. Um deles, Jeffrey Webb, presidente da Confederação da América do Norte, Central e Caribe (Concacaf), é conhecido como importante pessoa de confiança do próprio presidente da Fifa, o suíço Joseph Blatter, que, por sua vez, não está na lista de suspeitos.

O fato não é surpresa. Nos 17 anos de gestão de Blatter, toda vez que vieram a público acusações de suborno contra funcionários da Fifa, ele saiu sempre incólume, quase como se tivesse em torno de si um manto protetor invisível.

Apenas uma vez o cartola se viu em apuros: ao ser divulgado que, em sua época como secretário-geral da Fifa, ele pelo menos sabia do suborno de altos funcionários pela ISL, parceira de marketing da federação internacional. A Fifa de Blatter classificou as propinas como "comissões" e em 2010 se livrou do processo pagando uma soma milionária.

Fora esse caso, Joseph Blatter sempre atravessou com um sorriso todas as crises – e elas não foram poucas. A última se refere à escolha de Rússia e Catar como sede das Copas de 2018 e 2022, respectivamente. As autoridades suíças estão agora investigando oficialmente a respeito por suspeita de suborno.

Diante desse imbróglio, é quase curioso ser praticamente certa a reeleição de Blatter, nesta sexta-feira (29/05), para seu quinto mandato à frente da Fifa. O dirigente de 79 anos tem motivos apostar quase cegamente em sua "torcida" da África, Ásia e América do Norte, Central e do Sul: eles vão votar nele. Os europeus, que na verdade querem se livrar de Blatter, se revelaram tigres sem garras.

Numa empresa administrada corretamente, Joseph Blatter já teria sido forçado a jogar a toalha há muito tempo. E se tivesse um mínimo de decência, isso é o que faria, por iniciativa própria. Mas a Fifa não é uma organização limpa.

O que será preciso para que, finalmente, se faça uma faxina? Uma autolimpeza não vai acontecer, apesar da existência de uma comissão de ética na organização. Possivelmente a única coisa que vai adiantar é uma revolução: melhor fechar as portas de vez!

* Stefan Nestler, da redação de Esporte da DW



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa