Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Pela manutenção do teto de gastos

Pela manutenção do teto de gastos

14/09/2020 Flávio de Azambuja Berti

Limitar as despesas públicas para evitar que o Governo gaste mais do que tenha capacidade de arrecadar e de pagar.

O assunto relativo ao desequilíbrio orçamentário do Estado brasileiro acentua-se em momento no qual a pandemia que assola o país e o mundo tem agravado nossas carências e mazelas, com número crescente de contágios e de mortes, decorrendo daí reflexos críticos como o agravamento da crise econômica, a redução do consumo de bens, o aumento do desemprego, a redução da atividade econômica e da arrecadação tributária.

A equação é impiedosa, já que, com menor arrecadação, inevitavelmente o déficit orçamentário aumenta, o que se dá justamente em momento no qual há urgência de mais gastos públicos, seja com ações imediatas de combate à Covid-19, ou com ações de proteção social e assistencial para a população, de modo tal que a equação não fecha e o socorro governamental torna-se insuficiente.

Se por um lado não se questiona a necessidade de maior presença do Estado em momento de crise sanitária e humanitária como a que se atravessa atualmente, por outro lado, não se pode descurar de assunto tão sério e premissa tão básica como a de não gastar mais do que se arrecada.

É bem verdade que a solução encontrada pela maioria dos países em momentos como este é o aumento do endividamento público.

Mas o que fazer diante de um contexto no qual tal endividamento já está nas alturas em decorrência de irresponsabilidade fiscal de sucessivos governos que acarretaram em crise sem precedentes?

Por certo, a melhor solução não passa por um subterfúgio populista de acabar com o chamado “teto de gastos” decorrente de recente Emenda Constitucional e que, na prática, significa algo óbvio: limitar as despesas públicas para evitar que o Governo gaste mais do que tenha capacidade de arrecadar e de pagar.

Algo simples que todos aplicamos, ou tentamos aplicar, em nossa vida, em nosso orçamento doméstico.

Não é o objetivo de comprar um automóvel novo importado ou de fazer uma viagem de férias dos sonhos ou de mandar um filho estudar no exterior que nos afasta da necessidade de manter o equilíbrio em nosso orçamento; ao contrário, são justamente objetivos como estes que impõem a nós a firmeza para mantermos o orçamento doméstico equilibrado, sem o que não só não alcançaremos tais objetivos como inclusive comprometeremos o pagamento de boletos e despesas usuais como o plano de saúde, o condomínio, o supermercado, etc.

Definitivamente, ainda que seja necessária flexibilização temporária durante este ano de 2020, em que as finanças estão em colapso em face da pandemia, o oportunismo político-eleitoreiro, o populismo e as falácias não podem se descurar da realidade: a necessidade de mantermos um mínimo de racionalidade orçamentária e fiscal.

* Flávio de Azambuja Berti é mestre e doutor em Direito do Estado, procurador do Ministério Público de Contas do Paraná, coordenador da Pós-Graduação em Direito Tributário e professor da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



O Judiciário e o muro cinzento

O Poder Judiciário, para mim, sempre foi uma instituição solene, respeitável e guardiã intransigente da Constituição e das leis.


Apagaram-se as luzes, perdi o show

Meu pai só gostava de músicas sertanejas, mas quando o cantor Roberto Leal aparecia na TV, ele me chamava para assisti-lo e ficava ouvindo junto.


O mundo mudou, e o Secretariado também

Sou do tempo em que se fazia curso de datilografia.


O “descanso” no treinamento esportivo de alto rendimento

A notícia da necessidade de isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus caiu como uma bomba no universo do esporte de alto rendimento.


A indústria do plástico e as cooperativas de reciclagem

Fechando o ciclo da economia circular.


O impacto da IoT na Engenharia de Produção

Desde a apresentação do conceito da Indústria 4.0 em 2011 na feira de Hannover, houve grande aceleração tecnológica em diversas áreas do conhecimento.


O novo normal da saúde é entender o poder das pessoas

Coletividade. Talvez essa seja a principal arma para lidarmos com a pandemia.


Nossos direitos vêm

Mais recentemente, quando atuei num júri onde os fatos apurados aconteceram na comunidade Fábio Alves, sediada no Barreiro, em Belo Horizonte, veio-me forte a memória do amigo e mestre professor Fábio Alves dos Santos.


A fome tem pressa

Dezesseis de outubro, Dia Mundial contra a Fome.


Como sair do isolamento sem colocar a vida dos condôminos em risco?

A pandemia do novo coronavírus tem nos obrigado a adotar novos parâmetros e limites para a vida em sociedade, para que assim possamos frear a velocidade de contágio pelo vírus.


Mudança cultural é o fator mais importante para a transformação digital nas empresas

A pandemia do coronavírus obrigou as empresas a lidarem com profundas mudanças e trouxe a necessidade de colocar em prática a digitalização dos negócios.


Síndrome do medo

Medo e insegurança são duas realidades que caminham juntas e se tornaram amigas do povo brasileiro.