Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Por que as empresas brasileiras de TI têm medo de fusões?

Por que as empresas brasileiras de TI têm medo de fusões?

13/07/2010 Gabriel Rodrigues

As empresas de TI vivem tempos competitivos: os clientes exigem cada vez mais qualidade, com cada vez mais segurança, por preços baixos e modelos de negócios mais diferenciados. “Mas como vou conseguir atender à expectativa dos clientes e ainda ter lucratividade para crescer e me manter saudável?”, pensam os executivos brasileiros.

De acordo com um relatório da consultoria PricewaterhouseCoopers, as atividades de fusão e aquisição de empresas de tecnologia atingiram 3,1 bilhões de dólares nos Estados Unidos durante o primeiro trimestre e 2,3 bilhões de dólares durante o segundo trimestre de 2009. Para eles, vale ter um concorrente sob o mesmo e grande guarda chuva que cada um com o seu papel-jornal na cabeça.

No Brasil, o movimento pode até acontecer, mas por motivos diferentes. Na maioria dos casos, as empresas de TI não buscam a fusão para crescer e sim para se salvar; não existe na pauta das empresas brasileiras uma linha no plano empresarial que seja destinado ao crescimento baseado em fusão. Por que alguns empresários brasileiros não aceitam se movimentar para resolver o problema de falta de musculatura, dinheiro para investir em novas linhas de negócios e para capacitar e reter talentos, realizando fusões entre empresas com culturas similares e objetivos comuns?

Mesmo os dados da empresa de auditoria KPMG revelando que nos nove primeiros meses do ano de 2009, dos 117 acordos empresariais realizados no Brasil, 39 deles envolveram empresas de tecnologia, esse número é baixo! O problema pode estar no perfil de muitos administradores brasileiros, que temem perder espaço em fusões com outras empresas. Talvez eles não possuam a mesma cultura que o Americano, que cria a empresa pensando em ser global e sabendo que em alguns momentos precisará dar um passo para trás para dar dois para frente e conseguir o seu objetivo.

E oportunidade de crescimento é o que não falta. O Brasil já foi capa da principal revista de economia do mundo, a The Economist, que afirmou que 2010 será o ano do Brasil. Empresas estrangeiras que querem crescer sabem disso e enxergam o país como um ótimo lugar para expandir.

E muitos acreditam que essa importação das empresas pode significar perdas. A união de empresas, independentemente de nacionalidade, que não tiver um Roadmap claro e definição da estratégia bem feita antes de iniciar o processo, tem grandes chances de fracassar. Ambas têm que estar em sintonia, querendo expandir e não temer mudanças. E, principalmente, ter controle total da transação.

Sei que esse comércio envolve medos, principalmente para os funcionários. Obviamente que não podemos ter um time só de estrelas, mas devemos posicionar essas estrelas nos lugares mais sensíveis para garantir que a estrutura rode, mesmo que alguns profissionais fiquem pelo caminho.  O certo é priorizar o planejamento: a empresa mais favorecida é sempre a que possui um plano de negócios e uma estratégia mais coesa com a realidade do mercado naquele momento.

Claro que além dos pontos citados acima, uma série de outros detalhes impedem que 20 pequenas empresas virem uma grande empresa com faturamento de R$ 50 milhões, mas um dos problemas é a falta de iniciativa. As empresas querem ser grandes, mas não querem pensar como se tornar grandes. É muito mais fácil só sonhar do que executar e olhar para os indianos dizendo “eles são muito bons...”

* Gabriel Rodrigues é diretor da Essence, empresa de consultoria e outsourcing, especializada em Tecnologia e Informação para negócios.

Sobre a Essence - Especializada em Tecnologia e Informação para negócios, a Essence e seus 250 profissionais oferecem consultoria e outsourcing com qualidade, conhecimento e criatividade a mais de 50 clientes em toda a América Latina. Combinando metodologias, ferramentas e profissionais certificados, a empresa é focada em soluções corporativas e trabalha com quatro unidades de negócios: Projetos, Sistemas para Gestão, Service Desk e Outsourcing de Profissionais. Localizada em São Paulo, a Essence é parceria de empresas como SAP, CorpFlex e BDO Trevisan.

A Essence usa as metodologias ASAP Focus e utiliza as práticas do PMBOK Guide - Project Management Body of Knowledge. Recebeu os prêmios SAP Award of Excellence 2006 e 2007. Entre seus clientes estão empresas como Bayer - Novartis - Cyrela - Gafisa - Hochtief - Rossi - Philips - Cosan - GM - Pepsico do Brasil - Schincariol.



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.