Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Por que Jean Wyllys é inimigo dos gays?

Por que Jean Wyllys é inimigo dos gays?

08/12/2014 Lucas Berlanza Corrêa

Gostaria que não fosse verdade, gostaria de não ter lido o que li, mas creio que meus olhos não estejam mentindo.

O deputado federal pelo PSOL (nosso infeliz conhecido partido de extrema esquerda que pretende conjugar socialismo e liberdade), Jean Wyllys, detentor do título de campeão do reality show Big Brother Brasil pela Rede Globo, conhecido por militar na causa LGBT e homossexual assumido, escreveu, em 17 de novembro, um texto inacreditável em seu perfil nas redes sociais. O texto se intitula “A burrice é contagiosa?”. Não posso deixar de pensar na ironia da coisa toda.

Eu realmente espero que a burrice não seja contagiosa, e que a estupidez que encontro nas linhas desse texto não me contamine. Mas vamos lá, dar uma chance ao nobre deputado... De que trata o texto? Enfim, Wyllys parece ter decidido explicar a sua famosa foto para a revista Rolling Stones fantasiado de Ernesto Che Guevara, revolucionário socialista da América Latina que não tinha lá muito apreço por gays. Louvável, diríamos; estava mais do que na hora de explicar o porquê da homenagem a um sujeito que, ao lado de Fidel Castro, foi hostil aos homossexuais cubanos. Pena que a “explicação” tardia passe longe de convencer. Wyllys começa dizendo lamentar que as pessoas estejam “perdendo a capacidade de interpretar imagens” e “caindo fácil em infra-interpretações paranoicas de imbecis de ultra-direita com colunas em revistas semanais”.

Ah, que feio, deputado... Então alguém se fantasia de Che Guevara sem maiores delongas e é preciso “interpretar” um ato tão objetivo? Muito bem, então me vestirei tranquilamente, fantasiado de Adolf Hitler, para uma revista mensal e não darei explicação nenhuma sobre isso. Se interpretarem que estou associando minha imagem à do tirano exterminador de judeus e minorias étnicas, são apenas imbecis, naturalmente. Para iluminar as mentes dos imbecis, o deputado começou a detalhar a “filosofia” por trás da foto.

Segundo ele, a proposta partia de alguns pressupostos. O primeiro era o mandato “revolucionário” do deputado, que, segundo ele, subverteria “as formas tradicionais de fazer política e as representações habituais da homossexualidade” – prefiro não tentar entender. A ideia foi, portanto, que ele encarnasse uma figura revolucionária, de esquerda, que fosse de “fácil identificação pela maioria das pessoas”, o que explica eleger a figura pop de Guevara, compartilhada em produtos e camisetas produzidos pelo bom e velho capitalismo que ele tanto condenou. A segunda opção era Harvey Milk, famoso político e ativista gay norte-americano, cuja vida inclusive foi adaptada para o cinema no filme Milk (2008).

Como Milk é menos conhecido, então a escolha por Guevara era melhor. Naturalmente, deputado, faz todo sentido. Defendo a causa LGBT, posso me fantasiar de um ativista gay, mas não... Prefiro posar como um notório homofóbico, porque ELE É MAIS CONHECIDO! Brilhante! E os imbecis somos nós... Wyllys continua. Diz que Guevara é o “macho-alfa da esquerda socialista”, reconhecendo que existiu homofobia nesse campo, com países socialistas condenando homossexuais à morte e trabalhos forçados. Encarnar Che seria uma maneira, segundo ele, de “provocar a direita e a esquerda”.

Ele esperava que as “pessoas inteligentes” captassem seu objetivo, que seria o seguinte: “(...) a direita se irritaria pelo fato de um gay encarnar a figura do homem cuja revolução socialista – norteada pela ideia de justiça social e pela defesa dos fracos e oprimidos contra a exploração por parte dos ricos egoístas e gananciosos – não foi capaz de ser sensível à condição homossexual; já a esquerda, eivada de homofobia, irritar-se-ia pelo fato de ver justo um gay assumido encarnando uma figura idolatrada por sua virilidade e coragem na condução de uma revolução que libertou os fracos e oprimidos da exploração econômica – a ideia da foto era levar ambos os espectros políticos a refletirem sobre a homofobia comum a eles”.

Nossa, agora com essa legenda, deu para entender a foto! Nos cursos de jornalismo, aprendemos sobre a ambiguidade das imagens. Realmente, com essa explanação tudo faz sentido! Na verdade o propósito de Jean era irritar absolutamente todo mundo com sua incoerência. Então, o que achamos que era imbecil foi na verdade proposital. Estamos diante de um gênio incompreendido! O mais triste é que, se atingiu seu objetivo com o primeiro grupo mencionado, a dita “direita”, que de imediato percebeu o absurdo que ele estava fazendo, o segundo, o da dita “esquerda”, na maioria o aplaudiu, acostumado que está a enaltecer grandes ídolos e ignorar suas manchas biográficas sangrentas. O trecho mais triste vem a seguir.

Wyllys já pareceu deixar claro que está consciente da hostilidade de Guevara aos gays. Próximo ao fim do texto, ele comenta: “O argumento de que ‘Che Guevara era homofóbico’ além de empobrecer uma rica biografia e de simplificar uma personalidade complexa – e só ignorantes são capazes desse reducionismo constrangedor – não leva em conta que em sociedades capitalistas como a nossa e dos EUA os homossexuais são vítimas não só de discursos de ódio, mas de homicídios numa proporção assustadora (...)” E bla, bla, bla. Pouparei os leitores do resto. Notem; dizer a verdade, apontar que Guevara tinha notória repulsa pelas principais bandeiras que fazem o sucesso do deputado perante seu público, é “reducionismo” de sua biografia rica. Rica, certamente, porque ele foi um “revolucionário socialista” que lutou pela “ideia de justiça social e pela defesa dos fracos e oprimidos”.

Muito bonita a ideia, deputado... Pena que ele apoiou fuzilamentos e execuções sem julgamento, pena que foi um homem grosseiro, racista e assassino. Pena que foi HOMOFÓBICO. Mas tudo isso é “reducionismo” de ignorantes como eu. Diante da revolução nacional-socialista, que prometia a “justiça social” e a prosperidade para a Alemanha, dizer que Hitler era antissemita e seu governo foi genocida deve ser um “reducionismo” ignorante de uma “biografia rica”, a julgar pela lógica aviltante de Jean Wyllys.

Atenção, gays: se um revolucionário socialista assumir o poder e resolver matar todos vocês porque simplesmente não suporta a companhia de homossexuais, o senhor Jean Wyllys, numa genialidade suicida e inimiga de sua própria “causa”, irá enaltecer a “rica biografia” do tirano e considerará “reducionismo” de ignorantes alertar para os riscos que ele representa. Por que razão Jean Wyllys fala de tal modo, como um autêntico INIMIGO DOS GAYS? É muito triste lermos um texto tão retrógrado e atrasado em pleno século XXI; francamente, deputado...

*Lucas Berlanza Corrêa



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa