Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Privatizar é preciso…

Privatizar é preciso…

26/11/2018 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O Estado deveria privatizar tudo e especializar sua estrutura fiscalizadora para garantir o bom func

Ao criar uma secretaria de privatizações, como anunciou o ministro Paulo Guedes, o futuro governo sinaliza sua prioridade de, além de reduzir o número de ministérios, também se desfazer de parte das 148 estatais que hoje pesam no seu orçamento. É preciso dar solução para coisas improdutivas como a EPL (Empresa de Planejamento e Logística), criada em 2012, para implantar o trem-bala que ligaria Campinas ao Rio de Janeiro e não saiu do papel, mas ainda possui um quadro de 140 funcionários e este ano está causando um rombo de R$ 69 milhões no orçamento da União. O conjunto das estatais gerou, em 2017, um déficit de R$ 13,6 bilhões, informou o Tesouro Nacional.

As empresas estatais tiveram um grande papel no desenvolvimento nacional. Sua criação deu-se em momentos em que o país necessitava implantar a infraestrutura e não haviam investidores privados em condições ou com disposição para nela aplicar. Com o passar dos anos e a consolidação dos negócios, muitos deles criados a partir da produção das estatais de então, a necessidade tornou-se menor. Por conta disso foi possível privatizar a telefonia, parte do sistema elétrico, a estrutura de transportes e de outros serviços. Alguns setores deram certo, outros nem tanto. Todo o processo de transferência para a iniciativa privada, no entanto, sempre se deu com forte oposição políticos, partidos e sindicatos, interessados na manutenção do nocivo empreguismo trocado por votos congressuais ao estilo do “é dando que se recebe”, frase de São Francisco de Assis, adaptada politicamente nos anos 80 pelos políticos do chamado “Centrão”. Estabeleceu-se a barganha que levou ao naufrágio da máquina pública brasileira e desequilíbrio das finanças estatais.

Existem setores que ainda são considerados estratégicos. Mas é preciso observar por quanto tempo assim continuarão e, ainda, a possibilidade de seus serviços serem executados por particulares mediante licença e regulação governamental eficiente. Via de regra, a empresa particular é mais ágil e eficiente do que a estatal, até porque se não for vai a falência, enquanto a estatal tem seus prejuízos cobertos pelo Tesouro. O Estado deveria privatizar tudo e especializar sua estrutura fiscalizadora para garantir o bom funcionamento, a lisura e a regularidade dos serviços concedidos.

Até a Petrobrás deveria ser transferida à iniciativa privada enquanto ainda é valiosa. Não sabemos se com o advento da bateria de alta capacidade, do veículo elétricos e de outras aplicações da eletricidade, o petróleo continuará tendo o mesmo valor nas próximas décadas. Nesse dia a Petrobras terá perdido seu valor. Da mesma forma, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal não têm razões para continuarem na forma estatal. Se submetidas à eficiente regulação, esses três gigantes da economia nacional poderão prestar melhores serviços à comunidade, sem os riscos de serem pilhadas pelo empreguismo e outros males que as acometeram nos últimos anos. Até o trem, de carga e de passageiros, que vai fazer falta quando o país voltar ao desenvolvimento, se bem fiscalizado, poderá um dia circular e ser útil à economia nacional...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - [email protected]



Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.