Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Qual será o limite da imprensa no novo governo Dilma?

Qual será o limite da imprensa no novo governo Dilma?

03/11/2014 Bernardo Santoro

No episódio desta semana do excelente seriado “Politicamente Incorreto”, do humorista Danilo Gentili, o personagem Deputado Atílio é constrangido em público por um humorista com base em homofobia.

Indignado, o Dep. Atílio reclama, na Câmara, que é um absurdo ter um país “onde um humorista conta uma piada só para fazer os outros rirem”, e que o parlamento deveria acabar com aquilo. O Presidente da Câmara sugere que isso é censura, no que o Deputado discorda, dizendo que censura é coisa de ditadura e o que ele estaria propondo, de forma democrática, seria um “marco civil do riso”, onde o Governo poderia regular o limite da piada no Brasil. Qual seria o limite da imprensa dentro de um marco civil da mídia (também chamado de controle social da mídia)?

A excelente piada descrita acima, feita no programa supracitado, nos dá o tom ditatorial dessa medida, disfarçada em termos que possam ser aceitáveis para a grande população. Mas palavras bonitas não mudam a natureza da intervenção censorial de um futuro marco civil da mídia, da mesma forma como é censorial o marco civil da internet, que infelizmente não foi tratado e combatido como deveria nestas eleições.

O esforço feito pelo Partido dos Trabalhadores no dia de hoje, 24/10/14, para censurar a reportagem feita pela Revista Veja, que revela o teor da delação premiada do doleiro Alberto Yousseff, no sentido de que tanto a Presidente Dilma quanto o ex-Presidente Lula sabiam do desvio bilionário de recursos da Petrobras, parece ser o tom do “limite” que um futuro marco civil da mídia terá: o limite será não poder divulgar as informações (o termo mais correto seria podridões) do Governo incumbente.

E essa postura, na verdade, vem para radicalizar ainda mais o discurso petista. A própria Presidente Dilma disse, em 18/09 deste mesmo ano, que não caberia à imprensa o papel de investigar denúncias, devendo se restringir à divulgação de informações. De acordo com o PT, se já não era papel da imprensa investigar, agora também não é o de divulgar informações.

Parece que a única função da imprensa no próximo Governo deverá ser receber dinheiro de estatal para poder justificar contratos milionários com agências de publicidade que deixam generosas contribuições de campanha, ou então produzir lixo mentiroso através de blogs obscuros em um sistema conhecido como “Blosta”. Nesse compasso, chegará o dia em que teremos o “marco civil do pensamento”, afinal, imagina só se alguém pensar de maneira diferente do que o Governo quer? Onde esse país vai parar?

*Bernardo Santoro é Mestre em Teoria e Filosofia do Direito (UERJ), Mestrando em Economia (Universidad Francisco Marroquín) e Pós-Graduado em Economia (UERJ).



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa