Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

15/10/2019 Alexsandro Ribeiro

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.

Passou longe a realidade de que a democratização do acesso à internet se apontava como possibilidade no horizonte, em que teríamos longos e frutíferos debates da juventude em uma esfera pública digital, e em que promoveríamos a participação cidadã on-line. Décadas depois, o excesso de informação e a capacidade quase que infinita de armazenamento em nuvem não resultaram em um aumento do conhecimento e de reflexão. Longe de recair em um determinismo tecnológico, a crítica, de fato, está sobre o comportamento irresponsável, agravado nos últimos tempos pelas fake news.

Na mesma velocidade com que tecnologias em prol do aprendizado e da educação ganham novas ferramentas, surgem novos canais e formatos de entretenimento que disputam com força desproporcional a atenção das pessoas. Na batalha entre interesse público, como informações fundamentais para a vida do indivíduo, e interesse “do” público, como informações desnecessárias ou de pouco valor prático, é nítido qual prevalece.

A facilidade do acesso muitas vezes prevalece ante a dificuldade da reflexão, e a camada de sites e de espaços que vendem conteúdo raso, mastigado e sobretudo de origem e qualidade duvidosa, não é rompida. O ranqueamento é alimentado, em parte, pelo volume de acesso da massa. Assim, firma-se um círculo vicioso, em que os maiores pontuados são os mais acessados, que por sua vez são aqueles que são generalistas e com conteúdo planificado. O problema cultural aqui é justamente o de ‘se render ao mais fácil’, que é a reflexão vendida por caracteres em sites que lucram com o fluxo de internautas.

Esse lucro é maior ainda quando o internauta interage com os demais conteúdos publicitários na página, cujo destino certamente não dialoga com a informação que se buscava. Ou seja, à fragilidade da atenção soma-se ainda o potencial de dispersão que banners animados, links para outros sites, propaganda de entretenimento, entre outras inúmeras iscas que são lançadas nesses sites para desviar o leitor do caminho da informação.

É nesse espaço de disputa de atenção e de desnorteamento com a quantidade crescente de dados que a desinformação ecoa e se multiplica. E as técnicas e estratégias para isso evoluem. Se antes os boatos boca a boca criavam uma distopia, hoje a manipulação ou o desvio da atenção do que de fato é importante para a população se dá por meio de mentiras com marcas de verdades. A manipulação não é de agora, mas a capacidade de propagação do meio on-line torna mais rápida e potente a viralização.

Contudo, isso não significa que o problema esteja na tecnologia, caso contrário, a desinformação seria generalizada. Ele é, em grande parte, comportamental, e é reforçado pelos contornos da contestação gratuita aos métodos científicos e à solidez das instituições que sob a técnica e objetividade atuam no cenário da informação de qualidade, como é o caso do jornalismo. Aqui, o que se estabelece é o fenômeno da pós-verdade.

O cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade, dando espaço para o discurso da mentira que se propõe com marcas de realidade. A falta de atenção, por um lado, e a busca por confirmação dos próprios ideais e opiniões é o que vale neste espaço, em que informações em falso contexto, deslocadas do tempo, parodiadas ou com conteúdo manipulado são compartilhadas sem qualquer critério e pudor.

Se é menos a máquina e mais o humano, é neste que devemos nos centrar para prevalecer a lógica do bom uso, do interesse público e do uso da ferramenta tecnológica como base para a emancipação do indivíduo. Para isso, é importante que uma educação de base também seja orientada para o entendimento do on-line e do universo digital como o mesmo do off-line, que dê possibilidade para que cada vez mais os nativos digitais possam se orientar no mar de informações, e que acenda o alerta de que na internet não existem curtidas ou compartilhamentos gratuitos e nem livres de responsabilidade.

Autor: Alexsandro Ribeiro é professor nos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Internacional Uninter.



O “Golpe do WhatsApp” e o roubo da conta no aplicativo

Caso você seja vítima desse golpe, deve imediatamente entrar em contato com o WhatsApp para informar que alguém está utilizando a sua conta.


Reflexão sobre a democracia

Deambulava numa manhã de domingo, na Praça da Batalha, no Porto, quando perpassei por sujeito, elegantemente trajado: calça e casaco azul-marinho, camisa branca, gravata cinza.


Como não errar ao investir?

Muitas pessoas têm receio em falar sobre os seus investimentos, pois ainda é um grande tabu falar sobre dinheiro.


Para uma sociedade melhor

No tempo da minha juventude, conheci mocinha, de origem modesta, mas rica de inteligência, esperteza e perspicácia.


Fake (old) News

Tanto a existência das fake news quanto a expressão em si, já existem há muito tempo.


Por que os professores de Humanas são de “esquerda”?

Quero começar essa reflexão com uma resposta simples: não!


Como revestir a casa de forma prática e com menor custo

Nos últimos anos, uma das novidades de maior destaque se traduz no surgimento dos revestimentos inteligentes.


O livro e a cultura

29 de outubro é o Dia do Livro. 5 de novembro é o Dia da Cultura.


Os controversos e suas controvérsias

O ano de 2019 tem sido, sem dúvidas, muito fértil para os noticiários políticos internacionais.


A demora do Poder Legislativo em não regular a prisão em segunda instância

Os parlamentares federais são exclusivamente culpados por ter o STF procedido à revisão da prisão em segunda instância.


Os limites e a liberdade na educação

Crianças precisam de limites, seja para a sua saúde e segurança, ou para ajudá-las a reconhecer os seus sentimentos.


É impossível devolver a liberdade perdida ao cidadão

O ministro do STF Marco Aurélio, em seu voto contra a prisão em segundo grau, declarou que “é impossível devolver a liberdade perdida ao cidadão”.