Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quem paga pelo prejuízo do Minha Casa, Minha Vida?

Quem paga pelo prejuízo do Minha Casa, Minha Vida?

14/09/2014 Bernardo Santoro

O jornal “O Globo” traz uma interessante reportagem sobre o uso do dinheiro sob poder do Governo para fins de subsidiar, a fundo perdido, a construção de casa para o programa “Minha Casa, Minha Vida”.

De acordo com os dados apresentados, o Conselho Curador do FGTS reclama que a União Federal não repassou a parte dela no pagamento feito às construtoras dos imóveis do programa. De 2009 para cá, haveria um rombo de 7 bilhões de reais do Governo, que teria sido coberto pelo FGTS gerido pela Caixa, e a estatal quer esse dinheiro de volta, sob pena de não gastar mais um centavo.

Mas o que há de mais interessante nessa reportagem é o fato de que apenas 17,5% dos recursos doados a fundo perdido são de responsabilidade da União, sendo todo o resto de responsabilidade da Caixa. O que a reportagem do jornal disse, sem querer dizer, é que, de 2009 para cá, além dos 7 bilhões de reais pagos em nome do Governo, a Caixa pagou a título de subsídio o equivalente a 40 bilhões de reais. Agora vamos relembrar o que é o FGTS.

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço é uma poupança forçada, onde o Governo obriga os trabalhadores a perder uma parcela de seu rendimento mensal e guarda esse dinheiro em uma conta vinculada ao CPF do indivíduo, com pagamento de juros abaixo da caderneta de poupança (sabidamente o investimento menos rentável e menos arriscado) para que, caso esse empregado venha a ser demitido, possa ter um dinheiro guardado em seu favor.

Esse dinheiro, que deveria ser uma salvaguarda do trabalhador, é usado em uma série de “investimentos” que supostamente preservariam o poder aquisitivo do dinheiro poupado, mas que na prática são destinados a projetos políticos duvidosos, como o “Minha Casa, Minha Vida”, que gerou a maior inadimplência da história das linhas de investimento do Brasil.

O prejuízo, que já é de 47 bilhões de reais, poderá ser ainda maior nos próximos anos, e fica a dúvida sobre quem arcará com a peripécia: se o trabalhador do FGTS exclusivamente, ou se em companhia do pagador de imposto brasileiro. A única coisa certa é que esse dinheiro não sairá do bolso de quem provocou o prejuízo, ou seja, do bolso dos políticos do Governo.

*Bernardo Santoro é Advogado, Professor de Economia Política da Faculdade de Direito da UFRJ e Diretor Executivo do Instituto Liberal.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.