Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Reestruturação financeira, crise e a grande oportunidade

Reestruturação financeira, crise e a grande oportunidade

16/08/2016 Dr. Luiz Cláudio Isaac Freire e Dr. Jason Ribeiro Pimentel

A crise econômica tem motivado uma série de notícias sobre empresas em dificuldades financeiras.

Reestruturação financeira, crise e a grande oportunidade

A maioria dessas organizações adotam, neste momento, um discurso parecido ao justificar determinadas condutas, como o corte de pessoas e o não cumprimento de suas obrigações legais e financeiras pelo cenário adverso, pela alta dos juros e pelos custos de produção mais altos, além da alta carga tributária.

Não há de se discordar que todos esses fatores apontados tornam a vida dos empresários um verdadeiro caos. Por não vislumbrarem as opções viáveis para reorganizar seus negócios, os empresários, muitas vezes, se veem forçados a tomar decisões que acabam impactando muito negativamente nas suas atividades.

Desta forma, muitos se valem de artifícios arriscados para garantir, de alguma forma, a continuidade de seus negócios. Não há de se discordar que alguns ajustes são necessários para a sustentabilidade de um negócio em um cenário de custos altos, dinheiro mais caro e escassez de vendas.

No entanto, a utilização de determinadas práticas, aliada à falta de decisões estratégicas e reposicionamento de mercado, acabou por criar uma percepção pouco positiva em relação às organizações que se encontram em reestruturação ou recuperação.

Trata-se de uma herança cultural que levará anos para ser desfeita em nossa sociedade, resultante dos sucessivos ciclos econômicos, ora de retração, ora de crescimento, em nosso país. O processo de reestruturação de uma empresa em crise econômico-financeira exige um profundo estudo do seu negócio nos níveis estratégico, operacional e financeiro, com o objetivo de obter um preciso diagnóstico e, assim, identificar as causas que a levaram a este estado.

Durante os últimos anos, atuando na reorganização e reestruturação de empresas, vimos percebendo em todos esses ambientes organizacionais alguns fatores diferenciais e determinantes para a evolução da fase de crise para a estabilidade e consequente retomada do crescimento.

O principal deles é a sua conduta clara e responsável para com os seus clientes, seus fornecedores e para com os demais públicos envolvidos. Em seguida, a detecção e utilização precoce, no início da crise de forma a facilitar a reestruturação financeira da empresa e impor menores sacrifícios aos seus stakeholders.

Isto porque, é certo, quanto mais cedo a crise é enfrentada, utilizando-se os mecanismos adequados, maiores são as possibilidades de sucesso e menores tendem a ser os impactos negativos para os envolvidos. Ou seja, não adianta apenas se valer de uma ciranda de argumentos para justificar a inadimplência junto aos fornecedores, o não pagamento aos credores em função da crise ou as demissões.

Se a sua empresa passa por dificuldades financeiras, como tantas que temos ajudado ultimamente, vai uma dica: defina sua prioridade. A partir daí, converse, negocie e empenhe a sua palavra com seus fornecedores, credores e funcionários.

Honrando com os acordos e com um planejamento financeiro realista e possível, o empresário contribui não somente para a recuperação de seu negócio, mas a retomada de todo o sistema econômico. Na crise, a grande oportunidade é fazer valer acordos duradouros e vantajosos para ambos.

Assim, no futuro, quando a economia voltar a crescer, as organizações que tiverem se valido dessa inteligência empresarial serão recompensadas, pois terão conquistado a tão almejada credibilidade de mercado. Aqui, torna-se necessário ressaltar que toda empresa pode ser reestruturada e transformada a qualquer tempo, a partir do momento que aparecem os primeiros sintomas da crise financeira.

* Luiz Cláudio Isaac Freire é advogado especialista em reestruturação de empresas e renegociação de passivos bancários, sócio do escritório Moisés Freire Advocacia.

* Jason Ribeiro Pimentel é perito contador, especialista em reestruturação de empresas e sócio do escritório Moisés Freire Advocacia.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa