Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Relatos de uma contemporaneidade: uma vida espartana

Relatos de uma contemporaneidade: uma vida espartana

23/12/2020 José Carlos Moraes

Uma expressão do século XXI e presente na vida de todos é a tão sonhada qualidade de vida.

Com certeza, todos já ouviram esta frase e as empresas têm essa preocupação com a vida de seus colaboradores: nossa política de trabalho visa trazer qualidade de vida para os colaboradores e bem-estar a seus familiares; em contrapartida ocorre a melhora da produtividade destes, sua criatividade, saúde física e mental.

Diante das inúmeras atribuições que as pessoas possuem no cotidiano, estas se deparam em muitas das vezes com treinamentos e técnicas que colaborarão com o desempenho e ensinarão um dinamismo para conduzir as situações que ocorrem nas surpresas diárias, afinal, a sensação de que o tempo cronológico urge é uma constante na vida de todos.

Existem muitas fórmulas, treinamentos, dicas, filosofias empresariais sobre administração do tempo e melhor produtividade, contudo, quando chega a hora do show, este ferramental adquirido é deixado de lado, a famosa rotina prevalece e voltamos ao centro do furacão; ficamos a girar, girar, girar, apagando incêndios, um após outro; um círculo vicioso que nos prende e não permite o pensamento além do nosso intelecto com criatividade.

Neste tocante, as estratégias surgem para buscar a tão sonhada qualidade de vida, a produtividade e o tal bem-estar social. Porém, é necessário sair do tal furacão que gira, gira, gira.

Diante de tanta tecnologia disponível para facilitar a vida de todos, as obrigações diárias aumentam, facilidades também, porém, é necessário ter iniciativa e assim, emerge uma história da antiguidade e presente na área de humanidades que chama a atenção e muitos a conhecem: viva a sua vida com uma simplicidade espartana.

Afinal, como era de fato a vida em Esparta? Como toda sociedade, as regras existiam e organizavam a sociedade como um todo.

Esparta localizava-se na Grécia antiga, a história voltou à tona recentemente com o filme do Rei Leônidas e os 300 de Esparta. Esta sociedade tinha uma disciplina para a educação de todos, militar e social.

Seus soldados transmitiam um poder exacerbado, muito treinamento físico, desenvolvimento mental e estratégico para batalhas e já na infância iniciava a educação com um tutor, uma pessoa com mais experiência que conduziria este jovem através dos conhecimentos interdisciplinares, formando uma pessoa forte e capaz de integrar um exército para a defesa do território.

Claro que a força de um exército sem a estratégia de nada adianta e esta sociedade pensava militarmente esta questão para derrotar seus inimigos que tentavam tomar seu território a todo custo. Ao final, sabemos que os 300 de Esparta são derrotados devido a uma traição.

Para nós do século XXI, buscamos sonhos e metas muitas vezes inalcançáveis, temos dificuldades em atingir propósitos diários, e ainda, gerenciar a própria vida diante das lutas que surgem.

Desta forma, os espartanos nos servem como exemplo. Viver ativamente, traçando estratégia para nossas conquistas, fortalecendo nosso grupo com positividade e acreditar.

Uma pessoa sem ambição, é uma pessoa que não prevalecerá neste mundo competitivo, assim, viva a vida como um espartano.

Prepare-se para a luta, crie a estratégia, aprenda novas ferramentas e siga para suas conquistas, fortaleça seu grupo e principalmente, viva muito bem com tudo o que você conquistou e defenda o seu território juntamente com o seu líder e sua equipe.

* José Carlos Moraes é mestre em Teologia, professor da área de Humanidades na Licenciatura em Ciências da Religião do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1 Comunicação



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.