Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Resposta aos filhos da nova década

Resposta aos filhos da nova década

25/05/2021 João Guilherme Sabino Ometto

Em 2021, nascerão 140 milhões de crianças no mundo, sendo 2,5 milhões no Brasil.

Já no primeiro dia de 2021, a Terra recebeu 371.504 habitantes, os primeiros filhos da década que se inicia. Em nosso país, foram 6.935. Os dados são do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Multiplicam-se, portanto, os desafios e a responsabilidade da civilização de prover vida de qualidade às presentes e às novas gerações, em um cenário econômico abalado pela Covid-19, que aumentou a pobreza, empurrando cerca de 150 milhões de pessoas para patamar abaixo do nível da miséria, segundo estimativas da ONU.

Os números mostram que, apenas com o crescimento vegetativo de 2,5 milhões de habitantes, teremos no Brasil um novo contingente equivalente à população de Belo Horizonte (MG).

A comparação dimensiona a premência de promovermos amplo processo de inclusão, recuperação de empregos perdidos, geração de novos postos de trabalho e retomada do crescimento econômico em níveis mais elevados do que antes da pandemia.

Temos, assim, compromissos relevantes a serem cumpridos, que incluem, necessariamente, um plano eficaz de vacinação de nosso povo contra o novo coronavírus, essencial para a normalização plena das atividades.

São inadiáveis, também, as reformas estruturais, como a tributária e administrativa, fundamentais para destravar investimentos, proporcionar mais equilíbrio fiscal e viabilizar a expansão do PIB.

E em grau compatível com nosso potencial demográfico, de recursos naturais, do agronegócio e de setores industriais e de serviços que, apesar de todos os obstáculos, são bem-estruturados e competentes.

É de se esperar, assim, que a Câmara dos Deputados e o Senado, que contam com novas mesas diretoras este ano, o Executivo e o Judiciário trabalhem de modo mais sinérgico e assertivo para o bem maior do País.

Afinal, a retomada do crescimento econômico em níveis capazes de resgatar do desalento os cerca de 14 milhões de desempregados e de prover educação, trabalho digno e melhor vida às presentes e futuras gerações exigirá políticas públicas eficazes.

Temos plenas condições de vencer os desafios da nova década, promovendo a inclusão socioeconômica dos brasileiros, por meio de um projeto eficaz de desenvolvimento sustentado.

Possuímos indústria sólida e meios privilegiados para cultivar alimentos sem desmatar. Somos um dos líderes mundiais na produção de etanol e o sétimo país em energia eólica, que agora será impulsionada com a geração off shore.

Estamos entrando de maneira competitiva na solar e dispomos de recursos hídricos abundantes. Basta, agora, inteligência para trabalhar em um modelo que proteja o ambiente e gere renda para a população.

Numa perspectiva de responsável otimismo, temos tudo para ser um dos líderes globais na agenda ambiental e na retomada da economia, respondendo de maneira muito competente a essas duas demandas prioritárias da humanidade.

Muitos haverão de alegar as dificuldades de se realizar, em plena pandemia, o que não temos conseguido fazer de modo eficiente nas últimas décadas.

Porém, é nas grandes crises que as nações têm a oportunidade de demonstrar sua verdadeira capacidade de mobilização, luta, reação às adversidades e poder de superação.

Está na hora de o Brasil tornar-se sujeito de sua própria história e protagonista global.

* João Guilherme Sabino Ometto é engenheiro (Escola de Engenharia de São Carlos - EESC/USP), empresário e membro da Academia Nacional de Agricultura (ANA).

Para mais informações sobre crescimento econômico clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ricardo Viveiros & Associados Oficina de Comunicação



Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.


Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.


Você já respirou hoje?

Diagnóstico e tratamento corretos salvam vidas na fibrose cística.


Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.