Portal O Debate
Grupo WhatsApp


RPA, um dínamo de produtividade e estratégia

RPA, um dínamo de produtividade e estratégia

19/10/2017 Murilo Bilato

Já se foi o tempo em que os robôs apareciam apenas em filmes de ficção científica.

RPA, um dínamo de produtividade e estratégia

Há muito, eles habitam indústrias de variados setores, com destaque para a automotiva, tornando procedimentos críticos mais precisos. Mas o interessante é que, nos últimos dois anos, eles começaram a conquistar diferentes negócios ao automatizarem processos e revolucionarem resultados.

Em um cenário cada vez mais competitivo, agravado pelas turbulências político-econômicas (e isso não acontece somente em solo nacional, mas globalmente), a tecnologia tem sido forte aliada, sobretudo quando a pressão recai sobre a redução de custos operacionais.

É nesse ponto que Robotic Process Automation (RPA – Automação de Processos Robóticos) entra em cena como uma abordagem que pode impulsionar o negócio com aumento da produtividade, redução de custos e com o valor agregado de liberar profissionais para realizarem funções mais estratégicas. A implementação de RPA permite a automação de processos complexos de uma empresa.

Essa tecnologia é baseada em software e, por essa razão, pode ser usada para executar tarefas fundamentadas em regras. Assim, ajuda a transformar o negócio digitalmente e proporciona serviços de melhor qualidade ao cliente, considerando a sua precisão.

Destaco os seguintes benefícios como os principais proporcionados pela tecnologia: retorno veloz do ROI em até 800%, redução significativa de custos, eficiência operacional, liberação de profissionais para atividades mais estratégicas, por meio da automação de tarefas manuais ou repetitivas, ampliação da produtividade – robôs podem trabalhar no regime 24×7 – e redução das taxas de erros humanos.

Seu conceito está ligado às tecnologias disruptivas, que a cada dia formam uma potente e estratégica união. A solução de RPA está cada vez mais em alta nas organizações. Uma recente pesquisa global realizada com 454 empresas, conduzida pela HFS Research e KPMG, aponta a tecnologia como alvo principal de interesse dos departamentos de TI das companhias.

Entre as áreas de negócio que mais investem no conceito estão Cliente e Suporte (33%), Vendas (27%), Abastecimento e Logística (22%) e Processamento de Pedidos (21%). Outro dado interessante é que 43% dos vice-presidentes seniores participantes do estudo disseram que pretendem fazer investimentos significativos em RPA.

A pesquisa também mostra que, entre as indústrias, as de Alta Tecnologia e Serviços Financeiros estão à frente, com 53% e 44%, respectivamente, apresentando planos de investirem fortemente em RPA nos próximos dois anos. De acordo com as análises geradas pela pesquisa da HFS Research e KPMG, a solução de RPA coloca as empresas no caminho da digitalização ao considerar que, para uma organização se tornar digital, é vital que ela tenha seus processos manuais digitalizados e automatizados.

Outro levantamento atual – este realizado pela Forrester Research – estima que esse conceito irá movimentar US$ 2,9 bilhões em 2021. Um salto bastante significativo, tendo em conta o patamar em 2016 de US$ 250 milhões. Mas vale ressaltar que consultores internacionais têm avaliado que o avanço de RPA acontecerá por meio da sua associação com outras tecnologias, muito especialmente as cognitivas, como Inteligência Artificial (IA)

É gratificante observar toda essa movimentação e saber que o Brasil também tem feito a sua parte. Há muitas empresas buscando inovação para se antecipar às expectativas e exigências desse mundo digital, transformado e conectado.

É necessário estarmos sempre atentos à evolução dessas tecnologias cognitivas para nos tornarmos referência no avanço de soluções com base nesse conceito.

* Murilo Bilato é Gerente de Digital Solutions da Resource.



Abandono afetivo às avessas

E quando os filhos abandonam os pais?


O julgamento que pode desmoralizar o Supremo Tribunal Federal

Não pode o STF cair em descrédito, apequenando o tribunal, caso venha a mudar entendimento já pacificado.


O trabalho como dever moral e amor ao próximo

Encontrei um amigo do tempo de faculdade, há muitos anos não o via, e ele me disse que se aposentou aos 53 anos como funcionário graduado de uma repartição pública.


A nova CPMF seria bem-vinda

A reforma tributária é o grande destaque de discussões no ambiente político e econômico, no momento.


A depressão e o desemprego

Em todo país, o desemprego atinge 12,6 milhões de pessoas.


Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.