Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Salvar as eleições e o Brasil

Salvar as eleições e o Brasil

16/07/2018 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Terminada a Copa do Mundo, começa prá valer a corrida eleitoral.

 Mas nunca antes este país viveu tamanho descrédito na classe política. Nem mesmo nos meses que antecederam 31 de março de 1964, quando os militares assumiram o poder, chamados pela sociedade civil, os políticos estiveram em tão baixa como hoje. O governo com baixíssima avaliação, o Legislativo tendo centenas de integrantes acusados de corrupção com alguns deles já condenados e, inacreditavelmente, com os mandatos preservados. Até o Judiciário com muitos magistrados na berlinda, conforme nos mostra o noticiário. O quadro leva ao desencanto popular e à possibilidade das eleições não serem representativas. Mais de 40% dos eleitores, especialmente as mulheres, mostram o propósito de não votar.

Com tantos desmandos e especialmente o regime de coalizão, onde governos, partidos e políticos barganham benesses (legais e ilegais) por votos legislativos, o povo não se sente representado. A máquina, esbulhada pelo processo de formação das maiorias parlamentares que possibilitaram governar durante as últimas décadas, é hoje um sumidouro de recursos e, mesmo assim, não é capaz de cumprir sua determinação legal de oferecer à população saúde, educação, segurança e outros serviços básicos tidos como contrapartida aos tributos recolhidos.

A democracia tupiniquim instalada a partir de 1985 e consolidada na Constituição de 88 – hoje com uma centena de emendas e mesmo assim inacabada – vive contradições que enfraquecem o poder estatal e, através da burocracia, dificultam a vida do cidadão. Coisas simples tornaram-se complicadas, minorias em vez de protegidas tornaram-se presas de exploradores políticos e o senso comum de autoridade – que independe de regime político – tornou-se precário. É esse o país que a geração democrática dos anos 80 lega aos brasileiros do século 21. É preciso ampla reforma de procedimentos e a despolitização de processos que devem ser apenas administrativos. Urge libertar a administração pública do empreguismo, equalizar salários e eliminar mitos ideológicos que, com o tempo, tornaram-se fantasmas.

Esse grande e promissor país merece muito mais do que hoje lhe é dado por aqueles que o tem administrado. Do jeito que a interpretaram durante esses anos todos, não há democracia que resista. A tarefa mais imediata é salvar as próximas eleições. Alertar os eleitores que os partidos e grupos, ao sugerirem abstenção e voto nulo ou branco, estão tentando dar um golpe no eleitor desencantado com a classe política e a atual situação. Ao mesmo tempo que sugerem o protesto, orientam seus filiados e seguidores a comparecer e votar pois, com o baixo comparecimento e o alto índice de nulos e brancos, ficará mais fácil eleger seus candidatos. Passadas as eleições, temos de partir para a mais ampla reforma administrativa, política, eleitoral, tributária e, principalmente, de costumes. Precisamos fazer renascer no povo a confiança e a vontade de participar. Sem isso, o futuro será incerto...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - [email protected]



Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.