Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Saúde: governo faz opção pelos mais pelos mais ricos

Saúde: governo faz opção pelos mais pelos mais ricos

30/04/2014 Renato Azevedo Júnior

A política de saúde brasileira não tem hoje, incontestavelmente, qualquer vínculo com o social.

Uma prova de que o governo se distancia a cada dia dos cidadãos mais vulneráveis é a omissão frente aos abusos dos planos de saúde contra pacientes, contra os prestadores de serviços - entre eles, os médicos – e contra o próprio estado de direito.

Reza a Constituição Federal que a saúde é um dever do Estado e um direito de todos. Sendo assim, no caso do sistema suplementar, o mínimo seria esperar que as operadoras ressarcissem aos cofres públicos os valores dos procedimentos realizados por seus clientes no Sistema Único de Saúde. São, apenas em internações, 200 mil ao ano, com um custo que chega a R$ 1 bilhão, sem contar despesas ambulatoriais.

Diz a lei que esse dinheiro deve retornar à saúde pública, mas os planos se negam a pagar e recorrem à Justiça usando toda a sorte de estratagemas para escapar da dívida. A Agência Nacional de Saúde Suplementar, que nessa questão pode ser considerada a voz do governo e do Ministério da Saúde, pouco faz.

As operadoras mercantilistas de Planos de Saúde, com a honrosa exceção das UNIMEDS, obtêm lucros estratosféricos, enquanto a população vê a Saúde Suplementar se transformar num arremedo de assistência. Pesquisa recente do Datafolha, encomendada pela Associação Paulista de Medicina (APM), mostra que, mesmo pagando mensalidades altíssimas, os usuários sofrem para ter acesso a consultas, internações, atendimento em pronto-socorro, autorização de exames, entre outros pontos.

De 2012 para 2013, subiu em 50% o número de pacientes com planos que foram obrigados a recorrer ao SUS em momentos agudos. Isso ocorre porque as empresas só buscam lucro e desprezam o caráter social da saúde. Eles captam mais e mais clientes diariamente, mas não investem na ampliação de suas redes credenciadas. Para piorar, pagam honorários ínfimos aos prestadores de serviços, inviabilizando consultórios, clínicas, hospitais, laboratórios.

Médicos, pacientes e demais profissionais de saúde são vítimas dessa engrenagem. Entretanto, em vez de defendê-los, há alguns parlamentares que parecem compactuar com as operadoras. Em 2013, com o apoio do governo, a medida provisória 619, livrou as empresas de uma cobrança milionária do PIS e Confins. Dias atrás, a Câmara também aprovou a redução de multas para planos que não cumprem suas obrigações legais com os usuários, o que na prática significa incentivar as restrições de cobertura.

Certo mesmo é que tanto na rede pública quanto na suplementar, as pessoas mais vulneráveis estão expostas ao pior. Para o SUS, o governo convoca profissionais formados fora, sem exigir que comprovem capacitação e aptidão para a assistência, o que é um risco à saúde e à vida dos pacientes. Mantém uma política de subfinanciamento do setor público, o que redunda em mau atendimento, filas de meses para consultas e cirurgias, falta de leitos, doentes em macas jogados nos corredores de hospitais, sujos, desequipados, sem medicamentos e com carência de profissionais.

O Brasil já decidiu , em 1988, que quer Saúde para todos, sem distinção de classe social e não apenas para aqueles que tem poder aquisitivo, com exclusão de milhões de assistência médica de qualidade.

Não queremos o modelo americano, onde mais de 40 milhões de pessoas não conseguem assistência porque não podem pagar.

Diante de tal quadro, é importante a união de médicos, pacientes, profissionais de saúde e demais forças democráticas para dar um basta em tais absurdos. Um bom começo é replicar as informações, sensibilizar amigos, familiares, parlamentares e quem mais tenha princípio e honradez para perfilar nessa corrente do bem. Quando mais formos, mais cedo impulsionaremos as mudanças necessárias. A boa nova é que as eleições estão aí.

* Renato Azevedo Júnior, ex-presidente e atual diretor do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.