Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sérgio Cabral vs. Dias Toffoli

Sérgio Cabral vs. Dias Toffoli

13/05/2021 Bady Curi Neto

Rudolf Von Ihering, jurista alemão, no ano de 1853, escreveu:

“Um dia, os juristas vão ocupar-se do direito premial. E farão isso quando, pressionados pelas necessidades práticas, conseguirem introduzir a matéria premial dentro do direito, isto é, fora da mera faculdade ou arbítrio. Delimitando-o com regras precisas, nem tanto no interesse do aspirante ao prêmio, mas sobretudo no interesse superior da coletividade.”

No direito penal brasileiro, a previsão Ihering, tornou-se realidade com o surgimento da Delação Premiada ou Colaboração Premiada, no qual o colaborador na intenção de conseguir alguma vantagem, troca de benesses, para sua pena passa a colaborar com a investigação apontando fatos, pessoas, coautores, partícipes do crime, ajudando a desvendar organização criminosa, demonstrando o seu modus operandi.

Por ser um negócio jurídico, a palavra do delator ou colaborador deve ser recebida com reserva, já que na condição de réu a ser beneficiado, a veracidade de sua fala por si só já é questionável.

Em passado recente, utilizou-se um excesso de prisão preventiva para que o réu, fragilizado pelo cárcere, em uma verdadeira extorsão premiada, confessasse, se necessário para sair da cadeia e reduzir sua pena, que matara Jesus Cristo apontando inclusive seus coparticipes na execução ocorrida há 2000 anos.

As palavras do colaborador ou delator não prestam para embasar denúncia penal ou sentença condenatória. A delação é apenas um método para obtenção de provas e não provas em si mesmo, conforme a melhor doutrina e julgados de diversos tribunais.

Nos dias atuais, as investigações criminais perderam, praticamente, o sigilo, expondo o investigado à execração pública por meio de todas as mídias sociais e jornalísticas, que mesmo na fase embrionária da tentativa de obtenção de provas, o indivíduo tem sua privacidade e dignidade afrontadas, sendo condenado pela opinião pública.

Por vezes a imprensa, em juízo de valores equivocados, toma conhecimento de um inquérito criminal antes mesmo que o investigado, absurdo!

Nesta terça-feira, 11/05, foi publicado em toda a imprensa, a matéria do Jornal Folha de São Paulo, que a Polícia Federal encaminhou ao STF pedido de abertura de inquérito para investigar o Ministro Dias Toffoli sobre a alegação que teria recebido 4 milhões de reais para beneficiar dois prefeitos do Rio de Janeiro, em processos no TSE.

O pedido ocorreu com base na delação premiada do ex- Governador daquele Estado, Sérgio Cabral, preso e condenado a mais de dois séculos de cadeia.

Sabe-se que ninguém está acima da lei, seja o mais simples cidadão ou um ministro da mais alta corte de justiça. Para ambos, a persecução penal, mesmo que em fase de inquérito, baseada nas falas de um delator deve ser visto com cuidado. Há de ser demonstrado um mínimo de coerência e apontar provas concretas.

A despeito da colaboração premiada ser apta a obtenção de provas, as palavras do colaborador devem corroborá-las com buscas de provas idôneas.

A fala do delator há de ser revestida do mínimo de plausibilidade e veracidade, sob pena de poder ser utilizada, por aquele que nada tem a perder, como tentativa do “último suspiro” ou até ser utilizada como vingança contra um desafeto ou pessoa (no caso de um magistrado) que tenha decidido contra seu interesse em casos outros.

Os fatos narrados em uma colaboração hão de ser examinados com a máxima cautela, para que não seja apenas instrumento de desmoralização e achincalho da vida das pessoas delatadas.

Tenho dito!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre delação premiada clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos: