Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Supersalários dos magistrados

Supersalários dos magistrados

13/09/2017 Julio César Cardoso

O país precisa de moralização. Os nossos problemas sociais são gravíssimos.

O pobre padece para ser atendido nas unidades públicas de saúde, desestruturadas por falta de recursos não providos pelos governos. Da mesma forma, faltam verbas para a educação e segurança pública.

Mas existem instituições públicas onde os seus servidores abusam do conforto, custeado pelos contribuintes nacionais. Leia a reportagem abaixo, que não é nenhuma novidade, pois o Brasil conhece como se gasta com penduricalhos (adicionais) nos Três Poderes da República.

Por exemplo, no Congresso Nacional é uma vergonha a farra com o dinheiro público para bancar os penduricalhos de parlamentares. Mas de onde mais se espera, pois é de lá que vem a grande decepção: os penduricalhos salariais dos magistrados.

Ora, se o próprio Judiciário não dá exemplo de moralidade, fica difícil reprimir os demais mortais brasileiros que também deixam de se comportam de acordo com os princípios éticos e morais.

Como se pode esperar justiça no Brasil, se o Judiciário atua sem escrúpulo, em benefício de sua corporação, ao desconsiderar como salários os penduricalhos recebidos e com isso ultrapassar o teto constitucional? O Congresso Nacional tem de instituir lei estabelecendo que os penduricalhos recebidos a título de auxílios permanentes pelos magistrados - por exemplo: auxílio moradia - são partes integrantes de seus salários, os quais devem obedecer ao teto constitucional.

O que não pode é continuar a existir o artifício imoral para burlar o limite constitucional. A propósito do auxílio moradia permanente, trata-se de um privilégio inconcebível, pois o mesmo não é extensivo aos demais servidores públicos. E é assim que atua a Justiça em benefício próprio, sem se importar com os miseráveis indivíduos, que vivem na mendicância.

A corrupção explícita não está só na política, mas também no Judiciário, onde o dinheiro do contribuinte é gasto a rodo. Aqui, faltam escolas públicas de qualidade, sistema público de saúde de dignidade humana e a segurança pública é uma vergonha, mas o dinheiro do contribuinte vai bancar as mordomias nos Três Poderes da República.

Triste país! A sociedade não pode mais ficar omissa aos saqueadores da nação, sejam eles quem forem. O povo tem que botar a boca no trombone para denunciar os abusos que são perpetrados contra o bolso dos contribuintes nacionais em benefícios de corporações, que fingem ignorar a situação calamitosa de desafortunados brasileiros.

“Magistrados ganham em média R$ 42,6 mil por mês no Maranhão

Pela Constituição, a remuneração de um magistrado não pode ultrapassar R$ 33,7 mil, equivalente ao salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) divulgou balanço nesta segunda-feira (4) no qual informou que a despesa média do poder público com um magistrado no Brasil é de R$ 47,7 mil por mês. No Maranhão, a média salarial dos magistrados é de R$ 42,6 mil mensais.

De acordo com o conselho, o gasto mensal, relativo ao ano de 2016, contempla o salário e adicionais como benefícios, gratificações, diárias, passagens aéreas, auxílio moradia, entre outros. A média no Brasil é de R$ 47,7 mil por mês. Pela Constituição, a remuneração de um magistrado não pode ultrapassar R$ 33,7 mil, equivalente ao salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), a mais alta Corte do país.

Os “supersalários”, como são conhecidos aqueles que maiores que o teto, são permitidos porque, segundo entendimento do próprio STF, os “penduricalhos” não entram no cálculo. Um dos casos que mais chamou a atenção foi revelado no mês passado, quando um juiz do interior do Mato Grosso recebeu R$ 503,9 mil. Além do salário normal, de R$ 28,9 mil, Mirko Vincenzo Giannotte, da 6ª Vara da Comarca de Sinop, recebeu o restante em gratificações, vantagens, indenizações e adicionais.

O Justiça em Números informa que a despesa média com magistrados é maior no Mato Grosso do Sul, onde juízes e desembargadores receberam R$ 95,895 mil por mês em 2016. O menor valor médio por magistrado é registrado no Piauí, onde cada um recebe R$ 23,387 mil (veja os dados completos abaixo).

· TJPI – 23.387· TJAL – 25.10· TJRN – 34.328· TJAC – 41.941· TJRR – 43.454· TJPB – 44.180· TJAP – 46.405· TJRO – 49.854· TJSE – 53.987· TJAM – 55.833· TJTO – 68.967· TJMS – 95.895· TJPA – 31.038· TJCE – 35.980· TJMA – 42.675· TJES – 44.398· TJPE – 45.889· TJBA – 47.62 · TJMT – 47.658· TJDFT – 55.171· TJSC – 57.623· TJGO – 70.573· TJSP – 42.951· TJPR – 44.539· TJRS – 45.740· TJMG – 64.993· TJRJ – 65.691”.

Fonte: https://jornalpequeno.com.br/media/2016/01/justi%C3%A7a.jp

* Júlio César Cardoso é Bacharel em Direito e servidor federal aposentado.



George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.