Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Tchau querida!

Tchau querida!

21/08/2016 Bady Curi Neto

É chegada a hora do “tchau querida” definitivo.

A presidente afastada, Dilma Rousseff, pelo Senado Federal no processo de impeachment, será definitivamente defenestrada do cargo de mandatária maior da nação, pelos maus feitos por ela praticados, caracterizado crime de responsabilidade no nosso ordenamento jurídico.

No dia 09 de agosto, o Senado Federal sobre a batuta do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ministro Lewandowski, que comandou a seção plenária durante quase 17 horas, decidiu levar a presidente Dilma ao julgamento final, com aprovação maciça do relatório da comissão especial do impeachment, que recomendava seu julgamento.

A partir da aprovação do relatório, por 59 votos a favor e 21 contra dos Senadores, a presidente afastada passou à condição de ré no processo de impeachment e será julgada por crime de responsabilidade previsto na Constituição Federal e na lei 1079/50.

Segundo o relatório, de 400 páginas, confeccionado pela lavra do senador Augusto Anastasia, renomado professor e jurista mineiro, restou comprovado às denominadas pedaladas fiscais e a edição de decretos para liberação de dinheiro sem autorização do Congresso Nacional.

A partir desta fase, inicia-se a fase derradeira do processo de impedimento, no qual a acusação tem prazo de 48 horas para apresentar um resumo da peça acusatória, com a indicação de testemunhas. Recebido esta peça pelo presidente do STF, a ré Dilma Rousseff é intimada para apresentar um resumo de sua defesa e indicar suas testemunhas.

Ouvidas as testemunhas, será marcado o julgamento final em plenário no Senado Federal. Para que haja a cassação da mandatária maior da nação, e seja decretado seu impedimento para exercer qualquer cargo ou função pública, pelo período de oito anos, serão necessários que 2/3 dos senadores votem pela condenação da presidente por prática de crimes de responsabilidade.

Apesar da demora para a conclusão e o resultado final do julgamento, tendo em vista as várias fases processuais, é importante que todas elas sejam respeitadas, como ocorre no caso vertente, para que não haja arguição de nulidade por cerceamento de defesa e afronta ao princípio do contraditório.

Os senadores que defendem a presidente, assim como seu defensor, batem incessantemente na argumentação de golpe, afirmando que a presidente não cometeu crime. Chamou em especial atenção, uma das falas da senadora Gleisi Hoffmann, que na tribuna disse: “Não tem um partido aqui que tenha moral para apontar para o PT, para o Lula ou para a Dilma, denunciando alguma coisa. Todos aqui estão envolvidos, de certa forma, com questão de corrupção e de desvios. Não têm moral para julgar essa presidenta da República (...)”

O discurso causa estranheza, principalmente devido ao envolvimento de seu partido no escândalo de desvios da Petrobras, sendo que a senadora, juntamente com seu marido, o ex-Ministro Paulo Bernardo, foram denunciados pelo Procurador da República ao Supremo Tribunal Federal no âmbito da operação Lava Jato.

O desespero dos senadores, aliados à presidente e a votação expressiva do senado para transformar Dilma em ré no processo de impeachment demonstra que é “chegada a hora” do “tchau querida” definitivo.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa