Portal O Debate
Grupo WhatsApp

“Tributação 3.0” é porta de entrada para o futuro

“Tributação 3.0” é porta de entrada para o futuro

01/02/2022 Gustavo Felizardo

Ela tem início quando a empresa se dedica para resolver a carga tributária que envolve o custo da matéria prima e dos insumos produtivos.

A “Quarta Revolução Industrial” ou a “Indústria 4.0” tem como foco a virtualização das fábricas, o trabalho com informações em tempo real, a descentralização das decisões e ao mesmo tempo o desafio do gerenciamento de uma cadeia de suprimentos distribuída geograficamente pelo mundo, que carrega consigo toda complexidade logística e tributária.

Além de tudo isso, é preciso manter o mantra “Making Things Well”: a busca do melhor sempre, focando na redução de custos que impactam a produção, inovando e mantendo a qualidade.

Mas essa transformação nunca foi uma missão fácil e, com os acontecimentos globais iniciados em 2020 com a pandemia, que ainda segue até hoje, tem se tornado cada vez mais desafiador.

Estudando, deparei-me com a visão “Tributário 4.0” tema que já é foco de discussão e estudo em grupos especializados.

O questionamento “Como serão cobrados os impostos no futuro?” que está dentro dessa visão trouxe uma reflexão importante: não há como pensar no futuro sem resolver a tributação atual, ou seja, precisamos olhar o “Tributário 3.0” enquanto estamos na “Indústria 4.0”, e quem sabe um dia ter a indústria e o tributário na mesma “era”.

Em qualquer empresa há times focados em impostos, sejam eles diretos ou indiretos. Dentro destas equipes temos profissionais focados para resolver os custos, impostos acumulados, obrigações acessórias entre outros com o claro objetivo de muitas vezes, para quem atua em empresas com matriz fora do Brasil, justificar nossa complicada tributação.

O conceito da “Tributação 3.0” tem início quando a empresa se dedica, para resolver, de maneira reativa, toda a carga tributária que envolve o custo da matéria prima e dos insumos produtivos das compras diretas, que vem acompanhada dos famosos impostos federais e estaduais acumulativos.

A provocação “de maneira reativa” justamente vem para abrirmos a caixa de pensamentos, que é necessário olhar o custo desde a ponta do processo produtivo, que não se inicia necessariamente no último elo da cadeia produtiva, mas sim dois ou três elos antes do principal fornecedor.

O segundo passo começou a se tornar mais sólido em meados de 2009, quando a indústria foca definitivamente na redução de CUSTO.

Uma redução não de maneira momentânea, mas sim em marcha corrente, não olhando somente a performance dos impostos na sua matriz de compras, mas também apoiando e suportando seus fornecedores para que eles tenham uma performance competitiva.

Ganhando força desde então, essa visão engloba uma estratégia colaborativa, buscando performance tributária de dois a três elos da cadeia produtiva, no mínimo, reduzindo assim o custo e o balanço tributário dos creditáveis.

As operações do dia a dia de compra e venda passam a ser vistas de forma estratégica, utilizando Regimes Especiais integrados em todas as cadeias de fornecimento e industrial.

Portanto a “Visão 3.0” tem como focos a COLABORAÇÃO, REDUÇÃO DE CUSTOS e GESTÃO DE RISCOS.

Colaboração, para que os fornecedores e clientes do processo produtivo entendam que não existe uma estratégia isolada da sua operação que não deva ser estendida, buscando uma maior competitividade.

Redução de Custos contínua e não somente temporal, para ter o menor custo desde o início do processo produtivo, possibilitando que todo esse ganho seja revertido em aumento de vendas e novos investimentos, como na inovação.

Gestão de Riscos, para alcançar toda rastreabilidade, conformidade e aderência da estratégia direta e da cadeia de fornecimento.

Na Becomex atuamos com tecnologia, conhecimento de negócios e inovação para lidar com os desafios tributários. Somos especialistas nas áreas fiscal, tributária e aduaneira, com atuação ampla em toda a cadeia produtiva.

Por meio do nosso trabalho, contribuímos para o aumento da competitividade das empresas, possibilitando a redução dos custos tributários e mantendo o compliance.

Em 14 anos de história, trabalhamos com mais de mil grupos econômicos, entre eles as maiores empresas do país, sempre com o conhecimento multidisciplinar de nossos mais de 450 colaboradores e tecnologia avançada, desenvolvida nas nossas fábricas de software.

* Gustavo Felizardo é o head de Regimes Especiais da Becomex.

Para mais informações sobre tributação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: MM Editorial



6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”


Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.