Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Um curativo não será a solução quando se trata de uma fratura exposta

Um curativo não será a solução quando se trata de uma fratura exposta

07/10/2023 Virginia Planet

Nos últimos anos, temos assistido a um aumento preocupante nos problemas de saúde mental relacionados ao trabalho no Brasil e em todo o mundo.

A pressão constante, as longas horas de trabalho, as metas cada vez mais ambiciosas e a falta de equilíbrio entre vida pessoal e profissional têm cobrado seu preço.

Não é novidade, apenas relembrando: segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o segundo país do mundo com maior prevalência de ansiedade e o quinto em casos de depressão.

E os efeitos são catastróficos, tanto para os indivíduos quanto para as organizações. Estima-se que 12 bilhões de dias de trabalho são perdidos todos os anos por causa desses distúrbios, de acordo com a mesma OMS.

No entanto, o que é ainda mais alarmante é a maneira como as empresas ainda lidam essas questões. Muitas, diante desse cenário e com boa vontade, têm buscado adotar iniciativas que promovam a saúde mental dos seus colaboradores.

A princípio, a abordagem escolhida é a reativa, que apenas entra em cena quando um colaborador está visivelmente em crise. Ou quando uma equipe está adoecida, com alto turnover e casos de burnout.

No entanto, muitas dessas ações são paliativas, ou seja, visam apenas aliviar os sintomas, sem tratar as causas dos problemas. 

Em geral, as empresas apenas têm "apagado incêndios", oferecendo atendimento psicológico emergencial ou palestras motivacionais, sem investir em um trabalho aprofundado de prevenção e promoção da saúde mental.

Conforme uma pesquisa conduzida pela Kenoby envolvendo mais de 500 profissionais, a saúde mental ganhou destaque nos departamentos de Recursos Humanos.

De acordo com o levantamento, 37,7% das empresas examinadas oferecem benefícios destinados a aprimorar o bem-estar e a saúde mental de suas equipes.

Mas ainda é pouco. Não adianta usar um curativo quando existe uma fratura exposta. Iniciativas como essa tratam os sintomas imediatos, mas não resolvem a raiz do problema. É uma solução superficial que, infelizmente, é a norma em muitos locais de trabalho.

A saúde mental é um assunto complexo e multifatorial, que envolve aspectos individuais, relacionais e organizacionais.

É preciso entender o que acontece com cada colaborador, quais são os fatores de risco e de proteção para a sua saúde mental, e como a empresa pode contribuir para criar um ambiente de trabalho saudável e acolhedor. E mais importante: não basta apenas tratar quem não está bem. 

Para abordar adequadamente os problemas de saúde mental no trabalho, é necessário um compromisso sério por parte das empresas que começa com a conscientização e a normalização da discussão sobre saúde mental.

Os colaboradores devem se sentir à vontade para falar sobre seus desafios sem medo de estigma ou retaliação.

Além disso, as empresas devem investir na capacitação das lideranças para que possam reconhecer os sinais de problemas de saúde mental e como agir de maneira adequada e empática.

Até porque os líderes desempenham um papel fundamental na criação de um ambiente de trabalho saudável e de apoio.

Por fim, programas de saúde mental a longo prazo devem ser implementados. Isso envolve uma mudança na cultura organizacional, na gestão de pessoas e nos processos.

Um trabalho preventivo que reconheça a saúde mental como um direito e uma responsabilidade de todos, que valorize o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, que promova um ambiente de respeito, confiança e colaboração, que estimule o desenvolvimento e o reconhecimento dos talentos e que previna o estresse excessivo.

A saúde mental nas empresas não é um problema isolado, mas sim um desafio coletivo, que requer o comprometimento de todos os envolvidos.

Somente assim será possível construir uma cultura organizacional que valorize o bem-estar e que reconheça a importância da saúde mental para o sucesso dos negócios.

Essa questão não deve ser tratada como secundária. Os problemas de saúde mental são reais e impactam profundamente os colaboradores e as empresas.

É hora de abandonar a abordagem paliativa e adotar uma abordagem abrangente e proativa para garantir que todos os colaboradores tenham o apoio necessário para prosperar em seus ambientes de trabalho.

E neste processo todos saem ganhando: empregador e empregado. Um ambiente saudável gera mais engajamento e mais produtividade. Um ambiente leve, de confiança e inovador.

* Virginia Planet é sócia da House of Feelings, primeira escola de sentimentos do mundo.

Para mais informações sobre saúde mental clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Conecte Comunicação



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa