Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quem topa tudo por dinheiro?

Quem topa tudo por dinheiro?

25/08/2022 Sanzio Cunha

O mercado financeiro é repleto de ativos à disposição do investidor. Assim como um imenso shopping center, há produtos para todos os públicos.

Tanto para os grandes quanto para os pequenos investidores; para os mais conservadores, que não se dispõem a empregar seu dinheiro em operações arriscadas, até aqueles que topam encarar qualquer risco em busca dos maiores rendimentos.

A lógica desse mercado complexo e diversificado pode parecer um tanto quanto perversa. O nível de segurança é inversamente proporcional ao rendimento.

Ou seja, quanto maior o risco a que o dinheiro está submetido, maior também pode ser a margem de retorno. O dilema para o investidor médio consiste então em equilibrar segurança e rentabilidade, de modo a faturar o máximo possível correndo o menor risco.

Em operações de day trade, quando o investidor realiza compra e venda de ativos no mesmo dia apostando na oscilação dos preços, esse equilíbrio simplesmente vai para as cucuias.

Esta é uma modalidade que exige um perfil mais agressivo, porque a expectativa de retorno é de curtíssimo prazo, algo inalcançável para quem tem foco mais conservador. Porém, a instabilidade do mercado também pega em cheio essa turma.

Daí a necessidade de se colocar um ingrediente extra nessa missão. A gestão de risco entre os operadores do mercado de day trade consiste em maximizar as chances de rendimento e de minimizar os impactos das oscilações nas carteiras dos investidores.

Essa tarefa é feita com uma leitura minuciosa do mercado global. É preciso analisar os movimentos que ocorrem no exterior, acompanhar de perto a flutuação cambial, interpretar as ações governamentais de outras partes do mundo e, o mais importante, posicionar as carteiras com base nos efeitos dessas ondas.

A gestão de risco num ambiente de day trade é ainda mais importante porque há um timing adequado para fazer ou desfazer uma posição.

Como é um mercado imprevisível, sujeito a muitas intempéries, a compra de um ativo com expectativa de valorização no decorrer do dia não vem com certificado de garantia.

Seu preço pode crescer muito além das projeções, mas, com as mesmas probabilidades, cair a níveis muito inferiores a que um trader pode resistir.

Quando o investidor resolve operar com day trade por conta própria, a exposição aos riscos é ainda maior porque há outros fatores em jogo, inclusive o psicológico.

A emoção, diante de uma volatilidade, tende a falar mais alto que as informações e as métricas, diferentemente do que ocorre com um gestor de risco.

Quem encara essas operações como uma loteria acaba concluindo, muitas vezes a um alto custo, que o mercado financeiro é implacável contra o amadorismo.

* Sanzio Cunha é trader, CEO e sócio fundador da Lotus Capital.

Para mais informações sobre mercado financeiro clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa